sexta-feira, 27 de novembro de 2009



"O Horóscopo das Árvores" é atribuído aos druidas - sacerdotes celtas que viveram nas regiões da Gália e da Irlanda durante a Idade Média que, além de realizar as funções sacerdotais, também se dedicavam aos estudos da magia, das propriedades curativas das plantas e dos corpos celestes.

Os celtas viam nas árvores não só a essência da vida, como também um recurso para prever o futuro. Curiosamente, este meio tão primitivo era considerado pelos druidas como o mais eficaz na hora de estabelecer um prognóstico sobre o destino de alguém. Ao observar todo o conjunto da árvore, desde suas raízes que se infiltram na terra até sua copa muito ou pouco frondosa, eles aconselhavam manter os olhos elevados, permanecer bem apoiado no solo e ter em conta que a natureza é tão previsível que após o tempo de queda das folhas vem outro de frio ou de neve, o que propicia o surgimento dos melhores brotos, justamente quando chega a época de fertilidade e da renovação da vida.

Desde o início dos tempos, os celtas mantinham uma relação vital com as árvores. Elas lhes proporcionavam em primeiro lugar lenha, sombra e alojamento para as aves que se convertiam em caça para alimentar o povo. Mas havia mais. A árvore reunia em si a idéia do cosmo, ao viver em contínua regeneração. Para os druidas, era muito amplo o simbolismo da verticalidade contido na árvore: era a vida em completa evolução, numa ascensão permanente até o céu. Por outro lado, a árvore permitia estabelecer uma comunicação com os três níveis do cosmo: o subterrâneo - por suas raízes que se infiltram nas profundezas em busca de água -, o mundo da superfície da terra - por meio de seu tronco e galhos - e o mundo das alturas, por meio da copa e dos ramos superiores. Tudo sempre reunido na totalidade de seus elementos: a água que flui em seu interior, a terra que se integra em seu corpo pelas raízes, o ar que alimenta as folhas e o fogo que surge de sua fricção. Os celtas obtinham o fogo atritando habilmente os galhos, entre os quais colocavam folhas secas ou palha.

Ao observar que as raízes da árvore desapareciam por dentro do solo enquanto seus galhos se elevavam ao céu, os druidas passaram a considerá-la como um perfeito símbolo da relação entre o céu e a terra. Há simbolismo também nas próprias características das árvores: as folhas caducas e as folhas perenes simbolizariam os opostos: as árvores de folhas caducas representam os ciclos das mortes e renascimentos; enquanto as de folhas perenes representam a imortalidade da alma- assim, são duas manifestações diferentes de uma mesma identidade.

Acredita-se que os druidas, baseados na meticulosa observação das espécies que cresciam nas florestas, elaboraram um horóscopo especial, no qual cada árvore é associada a certas características da personalidade. Adaptado para o Hemisfério Sul, o oráculo traz árvores tropicais, como coqueiro e goiabeira. Carvalho, ipê, oliveira e jacarandá representam as pessoas que nasceram em datas especiais de mudança de estação.

Não dá para saber realmente a verdadeira origem (e veracidade) deste horóscopo, mas a vale a pena saber qual é a árvore da sua personalidade. Descubra qual é a sua!

CEDRO - 2 a 11 de janeiro e 5 a 14 de julho
Os nativos de cedro gostam de ser o centro das atenções. São inteligentes, práticos, bons administradores e buscam sempre satisfazer suas necessidades, tanto afetivas quanto econômicas. No amor são racionais, não se iludem e procuram alguém que tenha boas perspectivas em todos os setores da vida.

QUARESMEIRA - 12 a 24 de janeiro e 15 a 25 de julho
Charmosa e bonita sem fazer esforço, a quaresmeira é vaidosa e segura de seu poder de atração. Mas pode se tornar arrogante. De natureza intuitiva, seus nativos também sabem ser carinhosos com a pessoa que amam, especialmente se ela se mostra mesmo bem envolvida. Têm senso de humor e cultivam a harmonia em casa.

CIPRESTE - 25 de janeiro a 3 de fevereiro e 26 de julho a 4 de agosto
Fortes e saudáveis, aqueles que têm o cipreste como símbolo costumam ser bons amigos e ótimos amantes. Gostam da vida no campo, de animais e crianças. São joviais e versáteis, do tipo que sempre topa os programas mais malucos. Nos relacionamentos afetivos, podem parecer um pouco infantis, mas são carinhosos e se mantêm fiéis.

AMOREIRA - 4 a 8 de fevereiro, 1º a 14 de maio e 5 a 13 de agosto
Os nativos de amoreira detestam pedir qualquer coisa aos outros. São orgulhosos e enfrentam tudo com postura digna. O traço negativo é que podem deixar o pessimismo atrapalhar sua vida. Analisam as circunstâncias, mas têm dificuldade em encontrar soluções para os problemas. Para serem felizes, precisam de coragem.

COQUEIRO - 9 a 18 de fevereiro e 14 a 23 de agosto
É sempre agradável estar ao lado de alguém de coqueiro. Eles são confiantes, ágeis, bem-humorados, observadores e práticos. Lembram verdadeiros guerreiros, pois não se assustam com nada. Bonitos e resistentes, vivem o amor de maneira bem intensa, sem limites e dão o melhor de si em busca da felicidade e da alegria.

PINHEIRO - 19 a 28 de fevereiro e 24 de agosto a 2 de setembro
Altivas, requintadas e elegantes, as pessoas de pinheiro em geral são marcantes e fortes. Enfrentam as dificuldades com fibra e garra e sempre acreditam que são capazes de vencer. Não se deixam abater e persistem em seus objetivos. Sabem tornar a vida confortável para si e para os outros. No amor, são entusiasmadas e dedicadas.

SALGUEIRO - 1º a 10 de março e 3 a 12 de setembro
Ligado à lua e ao feminino. A beleza dos nativos de salgueiro vem de uma mistura inesperada de melancolia e sensualidade. Eles amam a natureza, são sociáveis e extrovertidos. Gostam de viajar, de descobrir novas idéias e influências. No amor, se expressam com romantismo, mas preferem não assumir compromissos rígidos.

EUCALIPTO - 11 a 20 de março e 13 a 22 de setembro
As pessoas que nasceram sob o signo do eucalipto são criativas e dinâmicas, tanto que estão sempre envolvidas em projetos arrojados. Seu ponto forte é a inteligência. Embora pareçam calmas, têm uma vida interior bastante agitada, o que às vezes as torna meio contraditórias. Amam com intensidade e são muito possessivas.

MANACÁ - 11 a 20 de abril e 14 a 23 de outubro
As pessoas de manacá têm apurado senso de justiça e revoltam-se diante de arbitrariedades. Por isso, podem enfrentar problemas e sofrer decepções antes de vencer. São fortes, esportivas e saudáveis. Sentimentalmente, preferem as relações mais seguras e sem conflitos. Magoam-se com facilidade e não gostam de ser contrariadas.

PAINEIRA - 21 a 30 de abril e 24 de outubro a 2 de novembro
Caprichosas, as pessoas de paineira são um poço de contradição. Num momento podem estar alegres, de ótimo humor. Em outro, fecham a cara. São generosas e egoístas, ciumentas e desprendidas, tudo ao mesmo tempo. Só conseguem a felicidade ao encontrar o equilíbrio e são persistentes na busca do autoconhecimento.

MANGUEIRA - 15 a 24 de maio e 3 a 21 de novembro
Os nativos de mangueira precisam de espaço, sol, ar fresco e muito carinho. São do tipo carente e vivem se queixando de solidão, mesmo quando estão cercados de amigos e admiradores. No amor, idealizam demais e acabam culpando os outros pelas próprias frustrações. O que lhes falta é pensar mais e colocar os pés no chão.

ACÁCIA- 25 de maio a 3 de junho e 22 de novembro a 1º de dezembro
Alegres e um pouco irresponsáveis, as pessoas de acácia conquistam a todos com sua delicadeza e bom humor. São tão cativantes que ninguém consegue se irritar com elas, mesmo que cometam gafes e abusos. Não guardam mágoas, perdoam com facilidade e aceitam críticas. Também são bem ambiciosas e não admitem ser enganadas.

SERINGUEIRA - 4 a 13 de junho e 2 a 11 de dezembro
Os nativos de seringueira sofrem por antecipação, são frágeis e se assustam com facilidade. Embora tenham valores excepcionais, não sabem exteriorizar os bons sentimentos. Muitas vezes passam a imagem de insensíveis. No amor, têm dificuldade para se entregar, mas depois que adquirem confiança fazem seus companheiros felizes.

FIGUEIRA - 14 a 20 de junho e 12 a 20 de dezembro
Essas pessoas não passam despercebidas. São sensíveis, fortes, seguras e sensuais. Mas são um tanto egocêntricas e não sabem lidar com adversidades. Diante de situações muito complicadas, perdem a calma e ficam desorientadas. Como são inteligentes e independentes, devem aprender a usar melhor o próprio potencial.

IPÊ - 21 de junho
Os nativos de ipê são calmos, persuasivos e sabem argumentar na defesa de suas idéias. Embora gostem de convencer os outros, não são do tipo que insiste - e deixam que o tempo se encarregue de mostrar que estavam certos. Se sua timidez e introspecção forem bem trabalhadas, a vida afetiva correrá de forma satisfatória e tranqüila.

JACARANDÁ - 21 de dezembro
Quem tem essa árvore como símbolo está sempre envolvido em uma aura de magia. São pessoas sofisticadas, vaidosas e imaginativas. No amor, preferem estar no comando, gostam de relações intensas e não dão a menor importância às convenções sociais. São generosas e sociáveis, mas nem sempre se entregam totalmente.

GOIABEIRA - 22 de junho a 4 de julho e 22 de dezembro a 1º de janeiro
Expressivas e expansivas, as pessoas de goiabeira são românticas, sensuais e afetuosas. Vivem em função de amar e ser amadas. Sinceras e leais, elas nem sempre se sentem satisfeitas em seus relacionamentos. Detestam rotina em qualquer circunstância da vida e tendem a mudar de parceiro ao menor sinal de monotonia.

CARVALHO - 21 de março
Aqueles que nascem sob esse signo são fortes física e moralmente, daquele tipo que quebra, porém não enverga. Observadores, costumam ter o pé no chão, são inteligentes e vão direto ao ponto. No amor, podem ser volúveis, especialmente quando mais jovens, mas com o passar do tempo tendem a dar maior importância à fidelidade.

OLIVEIRA - 23 de setembro
De personalidade marcante, as pessoas de oliveira costumam ser atraentes e compreensivas. Prestam atenção a quem está à sua volta, mas não se intrometem na vida dos outros. Detestam violência. Preferem tirar as próprias conclusões. Para elas, a questão a ser trabalhada é o ciúme exagerado, só dominado com busca interior.

CAJUEIRO - 22 a 31 de março e 24 de setembro a 3 de outubro
Os nativos de cajueiro são sensíveis e afetivos, têm enorme capacidade de amar e de fazer sacrifícios para ajudar os outros. Ao redor deles sempre há uma atmosfera de magia, que fascina. Sutis e intuitivos, percebem as coisas no ar e detectam o que está para acontecer antes de todo mundo. São também generosos no amor.

BAMBU - 1º a 10 de abril e 4 a 13 de outubro
Capazes de ajudar os outros em quase todas as situações, aqueles que têm o bambu como símbolo mantêm boas relações com os mais variados tipos de pessoas. São amigáveis e sabem se respeitar. No amor, tudo corre muito bem desde que sejam correspondidos. Mas se tornam inflexíveis e vingativos se os seus sentimentos são desprezados.


POÇÃO DA FARTURA
1 colher de sopa de fermento
3 colheres de sopa de trigo
3 colheres de sopa de açúcar branco
Numa hora do Sol, misture todos os ingredientes no seu caldeirão e diga:
"Os deuses da fartura estão comigo. Que a prosperidade reine nessa casa!
Assim seja!
Assim seja!
Assim seja!
Coloque a mistura num vidro amarelo e coloque-a no sol por um dia.
Essa poção (na verdade, mais na categoria dos pós mágicos que poções) pode ser salpicada nos cantos de um estabelecimento comercial, escritório ou casa. Pode ser colocado na gaveta de um escritório, ou num envelope ou pasta que estejam papéis que representem "entrada".
Cuidado para não colocar em um local onde haja contas!
Na casa o melhor lugar é a cozinha, local que sustenta todo o lar.


Uma antiga tradição conta que a primeira coisa que vemos ao acordar determina os rumos do dia. Então é bom colocar ao alcance dos nossos olhos coisas bonitas e inspiradoras. Uma imagem religiosa, objetos de arte, fotos de entes queridos etc. O importante é enxergar coisas que nos agrade. Afinal, os olhos são a portas da alma.


DESEJOS E REALIZAÇÕES
Prepare a massa de um bolo (qualquer receita) e inclua nesse preparo muita imaginação. Enquanto mexe a mistura imagine seu desejo se manifestando e adquirindo forma. Prepare com carinho e leve ao forno.Este bolo representa a realização do seu desejo, se ele crescer satisfatoriamente, esteja certo de que seu desejo está por se realizar.

Carvalho


A dança dos Mascarados - The mummer's Dance

Essa música mostra um pouco dos costumes pagãos de pendurar oferendas de fitas coloridas, guirlandas de flores e bolos nas árvores em agradecimento pela chegada da primavera.



Loreena McKennitt - The Mummer's Dance

A Dança dos Mascarados

Na época de primavera
Quando as árvores estão coroadas com folhas
Quando os freixos e carvalhos, e os vidoeiros e yews
Estão todos vestidos com fitas

Quando corujas chamam a lua descoberta
No azul véu da noite
As sombras das árvores aparecem
Por entre as luzes dos lampiões

Nós estivemos perambulando a noite inteira
E uma parte deste dia
E agora novamente retornando
Nós trazemos um garland gay*

Quem irá descer para os escuros bosques
E intimar as sombras de lá
E amarrar uma fita naqueles braços protegidos
No tempo de primavera do ano

As canções dos pássaros parecem preencher o bosque
Que quando o violonista toca
Todas as suas vozes podem ser ouvidas
Através de seus dias passados na floresta

E então eles juntaram suas mãos e dançaram
Rodando em circulos e em fileiras
E então a jornada da noite se acaba
Quando todas as sombras se forem

Um garland gay nós te trazemos aqui
E em sua porta nós ficamos
Ele é um broto bem como um botão
O trabalho das mãos de nosso Senhor?

*Garland Gay é uma oferenda a um Deus, normalmente um
ramo de flor ou algo do gênero, usado em rituais
pagãos.

As Bruxas Ancestrais




“Armas do Matriarcado”

“Nos lugares onde se comercializam imagens de qualquer tipo, como representações de bruxas, existe uma conexão, com a linha de antigos espíritos ancestrais de bruxas, que viveram em outras épocas, a responsabilidade das Linhagens Sagradas.

Esses espiritos deambulam pela Terra, em busca de mulheres que sejam dignas de ser chamadas “bruxas”; diz isto falando de mulheres que se sintam honradas de ser conhecidas como tais.

As flores no campo são as bruxas da natureza, pois enfeitiçam e encantam a todos os que passam por elas; e somente pelo fato de que praticam a magia natural, devem ser honradas, respeitadas e amadas.

Elas, as flores, são o alimento natural das Sacerdotisas da Grande Mãe, a Terra, pois seu perfume é o Maná do qual as mulheres necessitam, para poder Ser parte integrante do eixo, que mantém o equilíbrio da Mãe Terra.

Ingerir alimentos que contenham a essência das flores, reforça o elo com o sagrado que existe na natureza.

As flores, esses seres perfumados que se embalam, num eterno ritmo encantado, ao sabor do vento, têm muito a oferecer-nos como exemplo de Força e Poder.

São bruxas naturais que servem a Força da Vida, de forma vital e inexorável, pois nada pode deter a conexão delas com as abelhas, com as Sacerdotisas, com as mulheres, pois elas, as flores chegam aos grandes centros urbanos, em uma forma essencial e transformadora: o mel.

Por isso, a magia com perfume (água de cheiro) flores e mel, é a mais poderosa que existe, porque une a Força e o Poder das quatro Linhagens Sagradas, criando o Poder Real da Lua das Estações Terrestre.

Se a esta magia, se soma uma borboleta, terás no mesmo feitiço a aliança da Lua das Estações Terrestre com a Lua das Estações Celeste, o maior Poder, concentrado em gotas, aromas e cores que jamais a existido: o Poder Real do Nada, o Verdadeiro Poder de Akasha.

Por tudo isto, estes quatro elementos não podem faltar no altar de uma bruxa, que deve ser consagrado com estes elementos a Força da Vida, á Mãe Terra, á Mulher.

As flores representam o elemento Terra; o perfume (água de cheiro) representa o elemento Água; o mel, o elemento Fogo e por último, a borboleta representa o elemento Ar, O Sopro Criador.”

Como é possível comprovar, as quatro “armas” de poder da bruxa e das mulheres, das Sacerdotisas da Grande Mãe, é diferente das “armas” que nos ensinaram até agora: a espada, o oro, as copas e os paus, que são armas musculinas, de um mundo masculino, do patriarcado.

O Oráculo Primordial

1° – Confecção, consagração e uso, tanto do Oráculo
como das runas, para diversos fins.
2° -Magia com runas, sigilos e runas de poder
3° -Simbologia rúnica

Introdução

Meu propósito não é repetir o que já esta escrito em outros lugares, mas sim divulgar o que ha de novo e original.

Estes símbolos são mágicos, tanto separados como em grupos, ou fazendo parte de um conjunto especifico, que determinará o propósito para o qual serão consagrados.

Toda a parte sobre as runas e as mulheres, e a simbologia pertinente, a recebi dos Mestres/as Espirituais, de runas, que continuam me surpreendendo com novos conhecimentos sobre o assunto.

As Runas… misteriosas e secretas

“És uma criatura alada, que grava símbolos arcaicos, em pedaços de terra fértil, inventando novos destinos, desencadeando antigas histórias de amor e sangue, sem temor a ser julgada por seus atos.

Não sentes medo porque conheces o temor, Pachad, a reverência pelo sagrado, pela Força, o Poder Real que contêm cada símbolo quando o carregas com a mágica energia de teu desejo unido ao desejo do outro, entre laçados pela Paixão da Vida mesma.

Esses símbolos, sagradas escrituras, não são nada sem o significado que você lhes da; não são nada se não se desperta a emoção da Paixão que jaz adormecida nelas.

As runas, misteriosas e secretas formas que guardam o infalível destino de sua historia e a de muitos cavaleiros andantes, que acreditaram possuir sua força e seu poder, sem importar-se com a reverência devida a todas e cada uma delas.

Mensageiras dos deuses, portadoras de sementes douradas de Luz e Lua, jamais serão possuídas, somente poderão ser cavalgadas por hábeis cavaleiros, ou persuadidas pela doçura de belas damas, tecendo os caminhos mais opostos e mudando horrendos destinos por aladas promessas de brilhantes futuros.

Cânticos rítmicos e alucinantes; conjuros e juramentos de honra, oferendas e presentes, tudo encerrado em minúsculos traços, que podem levantar mendigos e destruir impérios, com a mesma facilidade e suavidade com que chega a aurora, depois da Noite Escura.

Essa noite que muitas vezes se faria eterna, se não tivéssemos a proteção dos símbolos para atravessá-la.

As runas são um círculo aberto que deixa o mal fora de si mesmo, exposto as ráfagas de Luz que o circundam; sua abertura é a conexão com o ponto central onde se originam os seres superiores, permitindo assim que nunca esqueçamos o Lar Primordial, mantendo-nos em contato com Ele, através de diversos canais, plenos de conhecimento e opções para encontrar o Caminho de volta á Casa do Pai, ao Criador, a Minha Casa, a Mim”.

Estas palavras me foram ditas pelo meu Maestro, faz algum tempo, e achei que seriam ideais para começar esta monografia sobre o Oráculo Primordial.

As runas são chamadas assim nos planos espirituais, pois que foram o primeiro oraculo, como seu nome indica.

As Mestras de runas me contaram que esse conhecimento foi roubado do Céu, juntamente com uma lista de Nomes, e com o Círculo Sagrado, o qual hoje é conhecido como ” o Jogo da Copa”.

Durante muito tempo achei que as runas adaptavam-se melhor a mente masculina, pois ao que os costumes das sociedades que as utilizavam, indica, elas teriam uma relação muito estreita com o modo de pensar masculino.

Mas foi um grande engano meu, baseada na historia guerreira desses povos; na verdade as runas são extremamente femininas, e seus segredos também.

Depois de muitos anos de lidar com o conhecimento que elas encerram, e trabalhar magicamente com elas, adquirindo assim um considerável conhecimento sobre o poder que elas contêm, me chegou via escrita automática, coisas novas e inéditas sobre a origêm e forma como podem ser usadas.

Congelando Problemas

"O elemento gelo é uma modificação do elemento água, baseado em temperaturas baixíssimas, por isso possui características ofensivas maiores que o elemento água e também pode congelar ataques de energias nocivas..."



Para esta magia você vai utilizar:

água mineral,

uma vela branca,

um copinho descartável (transparente de preferência),

papel branco e um lápis.

Em uma segunda-feira, coloque a água no copinho, ponha em seu altar (se não tiver um, faça em uma mesa limpa e vazia), acenda a vela, e escreva com o lápis no papel branco tudo aquilo que você gostaria que parasse de acontecer.

Ex: você esta brigando muito com alguém, ou esta com uma dor faz muito tempo (antes procure um médico), seu vizinho te incomoda, seu chefe pega muito no seu pé…

Enfim, coisas que você já esta cansado(a) viver na rotina.

Dobre bem o papel, e coloque dentro do copinho com água.

Reze sua oração preferida com as mãos direcionadas ao copinho; e deixe ali até a vela acabar de queimar.

Por último, pegue o copinho e coloque no freezer, e deixe lá até as coisas acalmarem.

Quando você sentir que surtiu efeito, tire o copinho do congelador e deixe-o ao sol, ele tem que descongelar só.

Depois de descongelar, pegue o papel dentro do copinho e ponha para secar também, e depois de seco queime-o, segurado por uma pinça, e jogue em água corrente.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Roda do Ano



A roda do ano é explicada com uma história mitológica, do Deus de chifres e a Deusa , ela se mantém sempre viva e ele nasce e morre ao longo do ciclo, ele é filho e consorte da Deusa.


Em Yule, o Deus nasce do ventre da Deusa, no equinócio de inverno, em seguida vem Imbolc, que é o período de recuperação do parto e amamentação de criança da luz, vem então Ostara que é o crescimento do Deus, época que ele é uma criança , em Beltane o Deus já é um homem, é quando ocorre o casamento do Deus e da Deusa, e em Lithá no Solstício de Verão, ocorre o ápice das energias que foram movimentadas em Beltane, é o dia mais longo do ano; em seguida vem Lughnasadh, é tempo da primeira colheita, o Deus começa então a perder a sua força e a envelhecer, em Mabom , no equinócio de outono, ocorre a última colheita, época em que o Deus é um ancião, e finalmente, Samahain, é quando ocorre a morte e reencarnação do Deus, época em que o deus morre para depois renascer em Yule , é o ano novo Celta.

Yule: Sul:21 de Junho
Norte: 21 de Desembro

Imbolc: Sul: 30 de Julho
Norte: 02 de Fevereiro

Ostara: Sul: 22 de Setembro
Nore: 21 de Março

Beltane: Sul: 31 de Outubro
Norte: 1 de Maio

Lithá: Sul: 29 de Janeiro
Norte: 21 de Junho

Lughnasadh: Sul: 1 de Fevereiro
Norte: 1 de Agosto

Mabom: Sul:20 de Março
Norte: 21 de Setembro

Samahain: Sul: 30 de Abril
Norte:31 de Outubro



Uma vez me perguntaram para que servem esses festejos, e após pensar eu disse, para nada, é só pra se divertir!!!!E veio então um sorriso por parte da pessoa , provavelmente estava esperando algo mais complexo e que ele pudesse discutir, mas a verdade é que nós festejamos pois sentimos vontade de estarmos em movimento junto com a natureza, é por prazer e não por obrigação!

Pra mim quando fazemos rituais ou oferendas estamos tirando um tempo só pra nós, para nos agradar, nos amar , nos paparicar, ...já que todos somos parte da Deusa e do Deus, estamos fazendo para nós mesmas.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Deusas Celtas




Ahes Ou Dahut – Deusa celta do amor e da sexualidade
Ailinn - Deusa celta do amor e da fertilidade
Aima - A Grande Mãe celta da antiga Espanha, regente do céu e dos planetas, equivalente a Binah da Cabala
Aine - Deusa solar celta, regente do amor, da sexualidade, da natureza e da boa sorte
Akurime - Deusa celta da vida, da beleza e do amor
Andraste - Deusa celta da guerra, “A Invencível”
Aobh - Deusa celta do tempo, senhora da névoa
Arduinna - Deusa celta guardiã das florestas
Arenmetia - Padroeira celta da águas curativas
Argante - Deusa celta da saúde e da cura
Arian - Deusa celta da abundância e do bem-estar
Basihea - Deusa celta ndo céu, dos pássaros e das viagens
Blathnat - Deusa celta da sexualidade e da morte
Blodewedd - Deusa celta das flores, do amor e da magia
Boann - Deusa celta da inspiração, das artes e da fertilidade
Brighid, Brigid, Bridhit ou Brigit, Tríplice deusa celta presidindo a cura, as artes, a magia, padroeira do fogo e do lar, semelhante à romana Vesta e à grega Héstia
Cailleach - Deusa celta da Terra e Natureza, a Anciã ancestral da Escócia
Carman - Deusa celta da guerra
Cathubodua - Deusa celta da guerra que assumia a forma de corvo durante as batalhas
Ceadda - Deusa celta das fontes
Cerridwen - Deusa celta dos grãos, da inspiração e da sabedoria, detentora do caldeirão da transmutação
Clidna - Deusa celta das ondas do mar
Cliodhna - Deusa celta da beleza e sedução
Cliodhna - Deusa celta da beleza e da eloqüência
Coventina - Deusa celta da água, semelhante a Boann, Belisama, Sinann e Sulis Domnia Padroeira celta dos menires e das pedras
Druantia - Padroeira celta das árvores
Epona - Deusa eqüina celta, adotada pelos romanos, protetora dos cavaleiros e dos animais
Etain - Deusa eqüina e solar celta
Fand - Deusa celta do mar, do amor, do prazer e da cura
Grainne - Deusa celta da luz solar e do amor
Habonde - Deusa da abundância, de origem celta e germânica, semelhante a Abundita e Fulla
Inghean Bhuidhe - Deusa celta do verão
Ker - Deusa celta dos cereais e da colheita
Latiaran - Deusa celta da colheita, irmã de Inghean Bhuidhe (do verão) e de Lasair (da primavera)
Macha - Deusa tríplice celta, formando juntamente com Badb e Neman a personificação da guerra
Mari - Deusa celta dos bascos, presidia a chuva e punia os ladrões e os mentirosos. Também uma deusa hindu da morte, identifcada com Durga
Mocca - Deusa celta da Terra
Morgen Ou Mogan Le Fay, Deusa celta da Água, rainha das Fadas, Senhora de Avalon
Nehelennia - Deusa celta, guardiã dos caminhos
Nemetona -Deusa celta da guerra e dos bosques sagrados
Sulis - Deusa celta da cura, considerada um aspecto da deusa Brighid e da deusa Minerva
Tlachtga - Deusa celta dos raios e das revelações súbitas
Três Mães Ou Três Matres, Deusas celtas doadoras da vida e da morte, reverenciadas pelos ciganos como “As três Marias”
Yngona - A grande mãe dos celtas

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Proteção para animais



Bênção de proteção para Gatos

Bast, Deusa da beleza e graça,

Protectora da felina raça,

Abriga (…nome do gato) de todo o mal e de toda a dor

E mantém-no sempre em segurança e ao calor.

Toma conta de (… nome do gato…) dia após dia

E leva-lo a casa quando ele se extravia.

E concede-lhe muita felicidade

E uma boa vida, livre de dificuldade.


Bênção de proteção para peixes

Oh, Deusa de cauda de peixe, Melusina, habitante

Do reino das águas, profundo e constante,

Cuida do meu peixe e mantém a sua sanidade;

Livra-o de fungos, das feridas e da fatalidade.

Contra toda as doenças dá-lhe a tua protecção

Para que nadem com graciosidade e animação.

Melusina: Abençoa-os com o teu carinho sem parar;

Guarda-os! Atende a prece que te venho apresentar.


Bênção de proteção para Cães

Diana, Deusa da Natureza na sua imensidão,

Guardiã de todos os cães, mansos ou não,

Envolve (… o nome do cão…) num abraço maternal

E protege o meu bichinho de todo o mal.

Se um dia ele se perder ao passear

Ensina-lhe o caminho para casa voltar.

Abençoa (…o nome do cão…) com uma vida de felicidade

Livre de qualquer privação, sofrimento ou dificuldade.

Para curar os peixes

Para curar as feridas e manchas vermelhas nas barbatanas dos peixes, junte uma colher de sopa de sal consagrado para cada 20 litros de água do aquário. (Não se preocupe é totalmente seguro para os peixes tropicais de agua doce!)

Recite enquanto acrescenta ao aquário:

Sal que cura e uma nova vida dará

Cura os meus peixes de qualquer problema Já!


Bênção de proteção para aves

Rhiannon, bate as asas e voa

Concede a (…nome da ave…) uma vida boa.

Ampara-o(a) enquanto voa alegremente.

Protege-o(a) dia após dia, completamente.

Peço-te que com tuas asas o(a) vás abrigar

E que lhe dês canções felizes para cantar.


Para proteger as aves dos gatos

Prenda à gaiola arruda ou alfazema para proteger as aves contra ataques felinos.


Bênção de proteção para Ratinhos e Hamsters
Reia, que dos animais bravios reges o destino,

Deusa, Abençoa (…nome do animal…), peludo e pequenino.

Que a sua vida seja cheia de alegria

E de divertimento, dia após dia.

Protege-os do mal de uma vida dura,

Deixa que viva no encanto da sua fofura.

Abençoa (…nome do animal…), com carinho do teu coração

Oh, Bondosa Reia, ouve a minha oração!


Proteção psíquica para animais de estimação

Um anel de hematite preso na coleira do seu cão ou gato, protege o animal de ataques psíquicos.


Ritual de Passagem para Animais de Estimação

A perda de um animal de estimação provoca em nós um sofrimento muito grande. Se tivermos de o fazer por opção, (eutanásia), provoca em nós um sentimento de culpa e um remorso insuportável.

Este ritual que se segue é útil para enfrentar o sentimento de culpa, o remorso e a tristeza associados à morte dos nossos bichinhos queridos. Ajuda também a encaminhar os nossos animais em paz para a Terra do Verão.

Vai precisar:

Incenso de Sândalo

Uma vela Branca

Uma vela para a(s) Divindade(s)

1 Flor da sua preferência

Um Quartzo Rosa

Vinagre

Mel

Prepare o local onde vai fazer o rito e Acenda a(s) vela(s) a(s) Divindade(s), o incenso e saúde a(s) Divindade(s) dizendo:

Venho agora ter com vocês para que me liberteis

Desta dor e de todos os predadores emocionais

Que atormentam tão brutalmente o meu coração.

Afastai-os de mim! Libertai-me desta prisão!

Ascenda a vela branca, (*oferecendo-a ao seu animal de estimação), Pegue na flor e dê-lhe o nome do seu bichinho querido. Segure-a na mão, acaricie-lhe as pétalas e fale ao seu animal com amor e honestidade. Se foi caso de eutanásia, explique-lhe os seus motivos para por fim ao seu ciclo de vida, que foi para seu bem etc. Caso contrario é altura para lhe dizer a solidão que sente com a sua perda.

Coloque a flor sobre o altar e ponha o Quartzo Rosa por cima. Diga ao seu animal que para si passará sempre a ser representado pela pedra, e explique que ele ou ela esta livre para seguir para a Terra de Verão, para poder voltar a renascer. Diga:

Pequenino(a), agora és livre de te afastar,

Alegra-te e brinca, o momento acaba de chegar

Em que o teu espírito o seu caminho empreenderá.

Diverte-te, sê feliz! O teu amor aqui permanecerá.

Medite sobre o espírito do seu animal a seguir o seu caminho, para o aconchego dos Deuses… Depois ponha uma gota de vinagre sobre a língua para representar a amargura que sentimos com a perda de um ser amado.

Dedique algum tempo para chorar e libertar-se de todos os sentimentos de dor dentro de seu coração. Liberte-se das emoções de uma vez por todas.

Quando sentir-se mais aliviado que já não tem mais lágrimas para verter, prove o mel e então alegre-se, celebre a relação que teve com o seu animal. Lembre-se de todos os bons momentos que passaram juntos, o amor que partilhavam e o papel que ele ou ela desempenhava na sua vida. Pense na liberdade em que ele se encontra agora e como deve estar feliz por poder correr voar saltar brincar em paz…

Agradeça a(s) Divindade(s) a sua presença reconfortante. Retire-se com respeito. Quando as velas tiverem ardido até ao fim, pegue no mel e na flor e deite em água corrente, num rio ou um ribeiro, despeça-se dela com carinho enquanto ela flutua para longe. Ofereça o mel aos seres da água. Guarde a pedra em sua casa num local seguro.

*Uma vela nunca deve ser acesa em vão! Mencione sempre o fim para o qual acende a luz, caso seja só para iluminação diga algo como “Faça-se luz na escuridão”, neste caso pode dizer “faça-se luz em nome (…nome do animal…).

Receitinhas de chá



Receitas com chá que resolvem os seus problemas de saúde

Ansiedade

O que adotar: Alfazema (flores)
Modo de preparo: chá por infusão
Uso: beba de manhã, à tarde e à noite

Alto nível de gordura no sangue

O que adotar: fruta Laranja (casca)
Modo de preparo: chá por infusão
Uso: tome após o almoço e o jantar

Dor de estômago

O que adotar: erva Espinheira-santa (folha)
Modo de preparo: chá por infusão
Uso: tome após o almoço e o jantar. O chá é contraindicado para gestantes em qualquer período da gravidez.

Espinhas e cravos

O que adotar: fruta mamão verde (fruto)
Modo de preparo: só é preciso amassar a fruta com a ajuda de um garfo
Uso: passe diretamente na espinha, à noite, por dez minutos. Depois, lave com água e sabão. O mamão possui princípios ativos cicatrizantes

Hipertensão

O que adotar: erva embaúba (folha)
Modo de preparo: chá por infusão
Uso: beba de manhã, à tarde e à noite - ou de duas em duas horas por seis vezes

Insônia

O que adotar: erva maracujá (folhas ou flores)
Modo de preparo: chá por infusão
Uso: ingira após o jantar e antes de deitar

Intestino preso

O que adotar: erva Sene (folhas)
Modo de preparo: chá por decocção
Uso: beba antes de dormir

Queda de Cabelo

O que adotar: erva Babosa (polpa da folha)
Modo de preparo: descasque a folha até sobrar apenas a polpa branca. Corte-a em seis quadrados de 1 cm e despeje em seu xampu. Aguarde três dias, tempo necessário para os princípios ativos da babosa agirem
Uso: passe o xampu no cabelo normalmente.

Tosse

O que adotar: erva Eucalipto (folhas)
Modo de preparo: chá por infusão
Uso: beba uma xícara (café) por hora

Varizes

O que adotar: erva Mil-folhas (flores)
Modo de preparo: compressa por infusão
Uso: aplique de manhã, à tarde e à noite por 20 minutos. Depois, lave com água e sabão

Olheira

O que adotar: erva Romã (folhas ou polpa do fruto)
Modo de preparo: compressa por infusão
Uso: aplique na região dos olhos à noite, antes de dormir, por aproximadamente 15 minutos. Não é necessário lavar o rosto após a aplicação da compressa.

Preparação das compressas:

Por infusão

Você vai usar: - 1/2 litro de água - 2 colheres (chá) da erva indicada.

Preparo: leve a água ao fogo até atingir a temperatura média de 37º C (para medir, use um termômetro ou coloque o dedo na água até sentir que a temperatura está insuportável). Em seguida, despeje-a sobre as ervas, tampe e deixe descansar por dez minutos. Coe antes de ingerir. A quantidade preparada deve ser consumida no mesmo dia.

Por decocção

Você vai usar: - 1/2 litro de água - 2 colheres (sopa) da erva (comprada já triturada).

Preparo: leve a água e a erva ao fogo brando. Deixe por dez minutos após começar a ferver. Depois, é só coar. A mistura pode ser ingerida quente ou fria. Para problemas respiratórios, prefira quente.

Dicas importantes:

. Para aplicar a compressa, umedeça um pedaço de tecido de algodão ou gaze no chá e coloque na região afetada.
· Se a erva estiver fresca (vinda direto do vaso), esmague-a, coloque-a sobre um pano e aplique na área prejudicada.
· Ingira apenas 300 ml de chá ao dia.
· Divida esse total pela quantidade de vezes indicada para uso diário.
· Guarde as ervas fora da geladeira e longe da luz. Tire-as da embalagem plástica e coloque-as em um potinho de papelão para preservar os princípios ativos.
· O chá, que deve ser reservado por no máximo 12 horas, pode ser guardado dentro ou fora da geladeira.

Chá de Maracujá (Chá da Bruxa)

2 polpas de maracujá

2 paus de canela

2 cravos da india

1 pedaço de gengibre

2 copos americanos de açúcar

Ferva por 15 minutos em 1 litro de água.

Pode-se colocar maça também se quiser e adoçar com mel ao invés do açúcar, enfim, usem a criatividade...

Chá de casca de abacaxi

Antes de descasacar o abacaxi, lavar bem sua casca com uma escovinha e colocar para ferver em fogo baixo, 2 litros de água até que o caldo fique bem amarelinho, da cor de guaraná. Coar num bule e servir quente ou gelado, adoçando à gosto.

Chá de carambola,marucujá e frutas vermelhas

Em 2 litros de água, ferver 2 carambolas picadas em fatias e polpa de 2 maracujás. Coar num bule e ainda bem quente, colocar dos sachês dé chá de frutas vermelhas. Servir adoçado com mel.

Chá Cigano

2 cravos- da- índia
3 saquinhos de chá preto
2 pedaços de canela.

Misture todos esses ingredientes a um litro de água fervendo, deixe em infusão por alguns minutos e sirva acompanhado de uma rodela de limão, uma ameixa preta e uma fatia de maçã.

Receita do Chai - chá indiano com especiarias

Ingredientes:

2 litros de água mineral
2/3 copo de açúcar refinado
2 paus de canela
1 copo de gengibre ralado
½ copo de leite em pó (Ninho)
2 colheres de sopa de chá preto
5 sementes de cardamomo

Modo de preparar:

1. Verificar se a garrafa térmica está pronta para receber o chai (deixar um pouco de água quente dentro dela para aquecê-la).
2. Medir 2 litros de água.
3. Separar 200ml de água para diluir o leite.
4. O restante, pôr para ferver.
5. Triturar sementes de cardamomo no pilão.
6. Lavar e ralar o gengibre (com casca).
7. Pôr o açúcar e a canela em uma panela e levar ao fogo, utilizando uma colher de pau, mexer até virar uma calda (obs: o açúcar não deve queimar).
8. Adicionar o gengibre e misturar bem.
9. Acrescentar a água pré-aquecida e o cardamomo.
10. Deixar ferver. Após a fervura, baixar o fogo e aguardar 5 minutos.
11. Diluir o leite e adicioná-lo, deixando aquecer por mais 1 minuto.
12. Desligar o fogo e adicionar as duas colheres de sopa de chá preto. Misturar bem.
13. Coar o chai na peneira, depois no filtro e experimentar (se ficar aguado acrescentar mais açúcar).
14. Utilizando um funil, pôr o chai na garrafa térmica.

Chá de Frutas e Especiarias


1 litro de água filtrada

1 pau de canela

4 cravos da Índia

4 cardamomos inteiros (especiaria indiana em grãos)

1 anis estrelado

50g de gengibre cortado em cubos

1 colher (chá) de erva doce

1 maçã cortada em quatro com casca

4 morangos em pedaços ou 1 colher (sopa) de geléia da fruta

1 banana caturra ou nanica sem a casca

1 manga pequena bem madura

1 xícara de açúcar mascavo ou comum (pode usar adoçante)

Suco de 1 maracujá

Suco de 1 laranja

Gotas de limão

Raspas de limão e laranja

Folhas de hortelã para finalizar (opcional)

Leve a água para ferver com as 7 (sete) especiarias,isto é, os 7 primeiros ingredientes. Na sequência, coloque as frutas e deixe cozinhar e exalar todo o aroma. Finalize com o suco de laranja, maracujá e gotas de limão. Coe o suco apertando as frutas na peneira. Finalize com as raspas de laranja e limão. Decore com folhas de hortelã e rodelas de laranja ou limão.

Chá Para Afastar a Negatividade

*Casca de uma maçã
*Hortelã
*Mel
Faça um chá com a casca de maçã, assim que ele ferver acrescente um punhado de folhas de hortelã e deixe esfriar. Beba imaginando toda a energia negativa se dissolvendo e limpando sua áura, se preferir adoçe com mel.

Chá Para Concentração

*Uma sodalita
*Camomila
*Mel
Faça um chá com a camomila e energize a sodalita (que já deve estar devidamente limpa). Quando coar o chá, adoce-o com mel e jogue a sodalita na infusão. Respire profundamente 3x e beba o chá bem devegar, com cuidado para não engolir a pedra. Ao terminar, lave a pedra em água corrente, olhe para ela e diga:
"Em você agora eu me concentro. Minhas forças se dirigem sabiamente para um objetivo. Sou concentrado"
Coloque a sodalita em cima de alguma coisa que represente em que você deseja se concentrar, por exemplo, se for em estudos coloque em cima de um livro em que tenha dificuldade.

Chá Para Fortalecer o Campo Energético

*1 ametista
*1 sodalita
*1 turmalina negra
Primeiro purifique os cristais, lavando-os com leite de vaca cru e frio e depois com água da chuva. Coloque os cristais num pote de prata ou cobre cheio de água mineral , deixe descansar durante a noite. Pela manhã, divida a água dos cristais em 3 porções e tome 3 vezes ao dia.

Poção Para Aumentar a Coragem

*Limão cortado em cruz
*Uma rosa branca
*Mel
*Uma água marinha (cristal)
Na hora de Marte, prepare este chá simples para ter mais coragem para enfrentar os problemas. Acenda um incenso de bálsamo, que tem propriedade de acalmar e harmonizar ambientes carregados, além de dar inspiração e beneficiar o relaxamento.
Deixe tudo em infusão em água quente por alguns minutos. Depois , beba lentamente dizendo: "Eu afasto o medo de mim"
Retire a água marinha depois de beber e lave em água corrente e carrege-a consigo.

Chá com a Bruxa



Como fazer Chá

Para aproveitar o chá e o que ele tem de melhor, vale a pena seguir umas regrinhas na hora do preparo:

•Utilize o melhor chá de que você possa dispor. Existem casas especializadas que vendem chás de qualidade;

•Encha a chaleira com água fria; água quente ou reaquecida contém menos ar dissolvido e tem sabor envelhecido e sem graça;

•Aqueça o bule, enxaguando-o com água quente. Isso garante que a água permaneça fervente quando entrar em contato com o chá
•Adicione 1 colher de chá ou um saquinho por pessoa. A proporção correta é uma colher de chá para 185 ml de água;

•Quando a água estiver fervendo, despeje-a no bule. Recoloque a tampa e deixe o chá em infusão por 3 e 5 minutos (dependendo do tipo de chá, há uma variação), conforme o tamanho das folhas; folhas grandes levam mais tempo para fazer o chá do que as pequenas. Os chás liberam a cor antes do sabor, por isso não tenha pressa;

•Sirva o chá quando estiver recém-feito, pois ele terá sabor "cozido" se for deixado no bule por mais de dez minutos. Cobrir o bule com um abafador acelera ainda mais o processo de cozimento. Para evitar o chá cozido, tire as folhas da água.

Os chás verdes, que são mais digestivos, para quem consumiu carne vermelha ou pratos gordurosos. Misturas com ervas, flores e frutos são os recomendados para quem fez refeições à base de aves. Depois do peixe, o melhor é um blend com limão, que suaviza o paladar.

Para chá da tarde, chás combinam com biscoitinhos, petit-fours e bolos com especiarias.

Contudo, não podemos esquecer de que é necessário fazer "bom uso" deste recurso. Por exemplo, o chá de pata de vaca é recomendado para melhorar o controle da glicemia em diabéticos, mas não é incomum que pacientes que necessitam de insulina apresentem complicações quando decidem seguir a sabedoria popular e suspender a insulina, adotando apenas o chá como tratamento. Outro ponto a ser ressaltado é que o chá-mate e o chá preto podem impedir a adequada absorção de ferro e cálcio (por causa da presença do tanino).

Estes chás também contêm cafeína na sua composição. Sabemos que é fundamental hidratar nosso corpo. Uma adequada hidratação auxilia no funcionamento intestinal, na produção de enzimas digestivas, no equilíbrio hídrico de todas as células, inclusive diminuindo inchaços.

Tomando chás, além de conseguirmos os efeitos de hidratação, podemos potencializar os benefícios com as propriedades específicas de cada planta e, ainda, ajudar o metabolismo no processo de desintoxicação por meio das catequinas, substâncias presente nos chás de ervas.

Se estiver na dúvida para presentear alguém de gosta de chá, nada melhor que um porta chá!

Sons do Silêncio

Um rei mandou seu filho estudar no templo de um grande mestre com o objectivo de prepará-lo para ser uma grande pessoa. Quando o príncipe chegou ao templo, o mestre o mandou sozinho para uma floresta. Ele deveria voltar um ano depois, com a tarefa de descrever todos os sons da floresta.

Quando o príncipe retornou ao templo, após um ano, o mestre lhe pediu para descrever todos os sons que conseguira ouvir.
Então disse o príncipe: "Mestre, pude ouvir o canto dos pássaros, o barulho das folhas, o alvoroço dos beija-flores, a brisa batendo na grama, o zumbido das abelhas, o barulho do vento cortando os céus..." E ao terminar o seu relato, o mestre pediu que o príncipe retornasse a floresta, para ouvir tudo o mais que fosse possível. Apesar de intrigado, o príncipe obedeceu a ordem do mestre, pensando: "Não entendo, eu já distingui todos os sons da floresta..."

Por dias e noites ficou sozinho ouvindo, ouvindo, ouvindo... mas não conseguiu distingir nada de novo além daquilo que havia dito ao mestre. Porém, certa manhã, começou a distinguir sons vagos, diferentes de tudo o que ouvira antes. E quanto mais prestava atenção, mais claros os sons se tornavam. Uma sensação de encantamento tomou conta do rapaz. Pensou: "Esses devem ser os sons que o mestre queria que eu ouvisse..."


E sem pressa, ficou ali ouvindo e ouvindo, pacientemente. Queria ter certeza de que estava no caminho certo. Quando retornou ao templo, o mestre lhe perguntou o que mais conseguira ouvir. Paciente e respeitosamente o príncipe disse: "Mestre, quando prestei atenção pude ouvir o inaudível som das flores se abrindo, o som do sol nascendo e aquecendo a terra e da grama bebendo o orvalho da noite...

O mestre sorrindo, acenou com a cabeça em sinal de aprovação, e disse: "Ouvir o inaudível é ter a calma necessária para se tornar uma grande pessoa. Apenas quando se aprende a ouvir o coração das pessoas, seus sentimentos mudos, seus medos não confessados e suas queixas silenciosas, uma pessoa pode inspirar confiança ao seu redor; entender o que está errado e atender as reais necessidades de cada um.

A morte do espírito começa quando as pessoas ouvem apenas as palavras pronunciadas pela boca, sem se atentarem no que vai no interior das pessoas para ouvir os seus sentimentos, desejos e opiniões reais. É preciso, portanto, ouvir o lado inaudível das coisas, o lado não mensurado, mas que tem o seu valor, pois é o lado mais importante do ser humano...


Sou fada, sou bruxa.

Sou mulher,
Sou flor
Um lado bruxa
Um lado fada

O meu lado bruxa
Enfeitiça
Meu lado mulher
Atiça
Meu lado fada
Te conquista

No amor sou fada
Sou mulher
Mas sou bruxa
Que lhe encanta
Sou flor que nunca murcha
Sou mulher
Que simplesmente ama
Um lado fada, um lado bruxa.

Se estou triste
O meu lado fada
Acalma meu coração
Se apaixonada
O meu lado bruxa
Usa o feitiço da sedução
Mas sou simplesmente mulher
Magia, amor e dedicação.
(Sirlei L. Passolongo)

A Lua do Carvalho



Meitheamh, em gaélico quer dizer junho, o sexto mês do calendário gregoriano. Mês em que celebramos a Lua do Carvalho, considerada uma Lua Negra, associada ao aspecto do Senhor do Carvalho e que representa a lua dos novos caminhos, da transmutação e do renascimento.
Simbolicamente, morremos em Samhain para renascermos em Yule. A própria natureza se recolhe e nos ensina pacientemente a esperar por uma nova estação. O homem moderno nem sempre consegue assimilar esse fato, pois vive preso em si mesmo e num mundo cheio de ilusões.
Ao despertarmos para nossas verdadeiras necessidades iremos ao encontro do propósito maior de nossas almas que é, e sempre foi, viver plenamente em todos os sentidos da vida.
Bênçãos plenas é o equilíbrio entre a matéria e o espírito porque de nada adianta viver um sonho sem um objetivo claro para realizá-lo e de se realizar plenamente nele, senão a essência acaba se perdendo em meio a tantas bobagens.
E, diga-se de passagem, hoje em dia há muita bobagem disponível no mercado!
Quando vivenciamos os ciclos lunares e solares nos religamos a essa poderosa energia, que naturalmente flui dentro de nós. Neste mês, a Lua Negra coincide com a entrada do solstício de inverno, unindo, então, duas grandes forças a nosso favor.
Aproveite o dia e medite sobre a energia do carvalho, se possível próximo a essa árvore milenar de grande valor ancestral, pois o carvalho é considerado um grande celeiro de sabedoria e força cósmica.
O carvalho também é uma lenda viva, um portal para o Outro mundo, que representa tudo aquilo que é verdadeiro, saudável, estável e nobre.
Árvore da vida, que nos revela toda a força celta, através do seu simbolismo, que trata de mistérios que envolvem:
- A Vida; A Força; A Sabedoria; A Nobreza; A Família; A Lealdade; O Poder; A Longevidade; O Patrimônio; E a Honra.
Caso não seja possível meditar sob uma árvore de carvalho ou próximo de uma árvore qualquer, visualize uma antiga árvore de carvalho. Escute o farfalhar das folhas e continue a visualizar e concentre-se na base dessa árvore, onde há uma porta. Entre por ela e conecte-se com Avalon.
Descubra quais os ensinamentos estão contidos nesse momento para que você renove sua vida e viva de uma forma mais alegre e plena!
Anote todas as sensações e visões, lembre-se que o caminho está dentro de você, pois somos nós os mestres responsáveis pelo nosso próprio crescimento.
Que os Deuses lhe acompanhem nessa nova jornada! Slán…

FEITIÇO DA LUA NEGRA...

Este é um pequeno feitiço que deve ser realizado no período da minguante, três dias antes que entre a lua nova.
Nesta data específica (dia da Lua Negra), faça um pequeno corte em seu dedo anular esquerdo (um furo com uma agulha basta).

Com o sangue, trace uma lua minguante em um pano branco. Coloque-o a seus pés. Se possível, vista-se de céu.

Concentre-se e ligue-se à Terra. Olhe para a o céu na direção da lua, faça um desejo e repita três vezes o seguinte encanto:

Diana, és a lua nova
E serás lua crescente
Quando a Mãe chegar bem cheia
Mande-a trazer o meu presente

Dobre em o pano em três, e leve-o sempre com você até o primeiro dia da lua cheia. Alguns conselhos: não peça nada que possa arrepender-se depois; evite pedidos relacionados à paixão; seja razoável.

Afinal, você está trabalhando com a Deusa Negra, aquela cuja maior lição é "o que é recebido facilmente, facilmente é perdido".

FLIDAIS




FLIDAIS – Deusa Celta das Florestas e da sensualidade.


Esta deusa atua nos bosques. É um misto entre Diana e Afrodite. Nos ensina seus mistérios e nos guia pela vida com objetivo.
Flidais tem muita magia e gosta de pós e poções com gliter.

Quando invocá-la use incenso de ervas e deixe um copo com água ao lado. Peça-lhe socorro nas direções, peça-lhe que lhe ensine a ser bela e sensual. Quando precisar buscar algo, seja um emprego ou um amor ou até uma idéia para um feitiço, assim como metas e proteção.

Linda Flidais, senhora das Florestas, vinde ao meu encontro, chega perto de mim. Pegue minha mão e guie meus caminhos, cura-me com ervas, remove meus espinhos. Senhora Flidais, afasta aqueles que me querem mau, me ensina a pular as pedras, acender a fogueira que da luz, o amor divino e faz-me bela (belo) como vós.

Para cura de animais, invoque sempre Flidais. Ela virá em consolo, trará o auxílio, guiará os espíritos. Peça sempre a Flidais que todas as questões com animais ela irá solucionar.

domingo, 22 de novembro de 2009

Lilith




"Não sou feita de um pedaço teu.
Sou criação independentefeita do mesmo pó
e de saliva e sangue
Desejo e vida
Prefiro o exílio à submissão
Sou teu maior temor
E também teu maior desejo,
mas não podes possuir-me
Pois sou livre
Não sou tua
Sou minha
Eu sou a paixão da noite
Sorrateiramente apareço
em teus sonhos ardentes,
nas noites de Lua Nova
Se permaneço ou sigo adiante
não terás certeza
Pois não sou caminho
Sou abismo
Sou mulher com asas
Meu desejo é a igualdade
De direitos
De prazeres
de ficar por cima
Sou mulher indomada,
Assumo o meu poder
com destemor e força,
entusiasmo e prazer".

(Fabiane Ponte)

Poema -A Bruxa



"A natureza é meu lar, meu refúgio, meu sonhar
.
Pertenço a ela... Faço parte dela!

Preciso do verde, do azul, do lilás.

De um arco-íris de cores

De frutas e flores, amores e aromas.

Quero cheiro de mata molhada

Quero o vento soprando em meu rosto.

Quero andar sem medo

Quero dormir sob as estrelas.

Sou mulher da terra. Do chão. Sou raíz.

Escolho meu paraíso


E nele planto meu jardim.

Ando descalça por caminhos floridos...

Danço nos camposRodopio no ar.

Tomo banho de chuva nua

Abro os braços e giro.

Olho para o céu e acredito.

Que existe destino.

Existindo eu escolho

Sigo, mudo, me recolho.

Me abro para o mundo

Eu decido.Eu sigo meus instintos.

Sigo as estações.

Eu sou da terra

Do fogo, da água e do ar.

Sou de antes e de agora

Sou flor e espinho

Sou a água, sou o vinho.

Simples...

Sagrada

Sempre... Mulher".


(Ká Butterfly)


Eu me levanto hoje

Pela força dos Céus

Luz do Sol

Brilho da Lua

Resplendor do Fogo

Presteza do vento

Profundidade do Mar

Estabilidade da Terra

Firmeza da Rocha.

As Bruxas...cuidado....suashuashaush



Graças a liberdade de expressão posso nesse momento falar abertamente sobre quem sou e o que faço.
É dever de informar a sociedade sobre a verdade da Arte. Nós Bruxas nesses últimos séculos, permanecíamos incógnitas, tal atitude pesou contra nós, pois só quem fala sobre nós, são os que não nos conhecem. É necessário que falemos a respeito, pois nada mais temos para ocultar.
Sou bruxa que utilizo meus dons, que é um misto de magia com ciência, existem outras, que trabalham para cumprir missões de ajuda solidária.
Todas praticamos muitas das mesmas artes que serviram de base para cultura humana e que foram consideradas sagradas para a Deusa. Cozinhamos, costuramos, manipulamos ervas, hoje com o conhecimento científico de todas elas, fazemos fogueiras, instalamos altares, recitamos preces e cânticos, realizamos rituais de cura, enfim tudo.

A DEUSA E O PATRIARCADO

A importância da mulher não mais poderá ser negada, pois ela possuir a capacidade de dar a luz, de produzir o leite e de sangrar com as fases da lua. Fatos que foram definitivos para os observadores primitivos notassem que a mulher e a natureza repartiam o papel de Grande Mãe.
Entre os celtas, o sacerdócio era todo feminino e, tais sacerdotisas eram chamadas de druidas. A palavra "druida" é derivada do grego "dryad", uma "ninfa do carvalho". O termo também era aplicado às sacerdotisas de Ártemis.
O saber druídico foi transmitido oralmente, mas investigações contemporâneas nos levam a crer as práticas mágicas dos mistérios driádicos dos gregos, passando depois pelos druidas, manifestam-se hoje nos conjuros e sortilégios das modernas bruxas.
As sacerdotisas druidas da Grã-Bretanha estavam divididas em três classes. A classe mais alta vivia em regime de celibato em conventos. Essas irmandades alimentavam as fogueiras sagradas da Deusa e foram assimiladas na era cristã como monjas. As outras duas classes podiam casas e viver nos templos ou com seus maridos ou famílias. Com advento do cristianismo, foram chamadas de "Bruxas".
Com a chegada das religiões patriarcais, os Deuses solares tornaram-se heróis e as Deusas da Terra e da Lua passaram a ser as vilãs. A própria história da criação, que falava de nascimentos partenogenéticos e nascimentos de seres andrógenos, passaram a ser proveniente de uma fonte masculina. São vistas Deusas brotando das coxas e cabeças dos Deuses e não mais de um ventre feminino.
E, à medida que a concepção religiosa foi se afastando da Grande Deusa, tudo que estava associado à terra, corpo, sexo e mulher, tornou-se sujo, impuro e maléfico. Assim, a natureza humana como terrena, e o terreno, e com ele o feminino, passam a ser caluniado como repulsivos e maus.
Mas tanta insensatez não para por aí, os historiadores da religião interpretando à luz de seus valores patriarcais, argumentaram que a evolução do politeísmo para o monoteísmo era uma marca do avanço da civilização. Mas, o que realmente aconteceu com a chegada de um único Deus, foi à degradação da Terra, da mulher e do sexo.
As culturas que se desenvolveram em torno de um Deus Pai autoritário oprimem todos os que não se enquadram à imagem do homem adulto e todo-poderoso: as crianças, os gays e as comunidades não-humanas da vida animal, vegetal e mineral com quem convivemos e compartilhamos o nosso planeta.
As incursões patriarcais só surgiram com o desenvolvimento da metalurgia, em 2.500 a.C., aproximadamente. Mas as culturas matriarcais, que eram devotas a Grande Deusa, não desapareceram de um dia para outro, mas foram lentamente erodidas pela própria natureza da nova guerra.
A revolução patriarcal da Idade do Bronze coincidiu com o início da "escrita". Entretanto, o patriarcado é um desenvolvimento bastante recente nos últimos quatro mil anos, comparada com as centenas de milhares de anos em que os seres humanos viveram as sociedades matriarcais.

BRUXAS, COMO SÃO ELAS?

Cada cultura teve seus visionários. Eles são encontrados nas histórias da Suméria, de Creta, da índia, do Egito, da Grécia, da África, das Américas, etc. Na Europa ocidental, pareceram com os druidas, que eram sacerdotes e sacerdotisas da raça céltica cujas origens ainda estão envoltas nas brumas da história. Essa é minha descendência, pois minhas ancestrais vieram da Irlanda e da França, uma região onde a sabedoria e magia celta eram muito difundidas. E, ainda hoje, é dos costumes espirituais celtas que deriva boa parte da Arte praticada pelas bruxas modernas.
A própria palavra "bruxa" (witch, em inglês) é maravilhosa, pois traz lembranças até ao espírito mais cético. No anglo-saxão antigo, a palavra "wicca", referia-se a uma vidente, ou aquela que poderia prever o futuro por meio de magia.
A palavra "Witch" origina-se da antiga raiz germânica "wit", que quer dizer "saber". Novamente temos as bruxas associadas a pessoas de muito saber, ou seja, versadas em verdades científicas e espirituais.
Em muitas línguas, Bruxa é a palavra usada nos termos comuns e cotidianos para sabedoria. É a sabedoria que enriquece a alma, não apenas o espírito. E, quando o cérebro deixar de existir, somente a sabedoria da alma sobreviverá.
Somos criaturas humanas, rimos, sonhamos, sangramos e vivemos nesse mundo. A magia que usamos é parte de uma sabedoria universal.
Nossa magia jamais foi usada para praticar o mal e todos nossos rituais são orientadas para a fertilidade e para reverenciar o Deus Cornífero e a Tríplice Deusa com cânticos, danças, meditações. Nossa Arte é uma religião organizada, que nada tem a ver com o culto do diabo.
A maior das missões das Bruxas desse século tem sido provar que as práticas pré-cristãs não se extinguiram com a chamada dos povos pagãos à Igreja e, ainda, mostrar de forma convincente que o Deus Cornífero de nossos ancestrais não era o Satã cristão.
Não é difícil distinguir a Feitiçaria do satanismo. As Bruxas usam o pentáculo com a ponta para cima. Os satanistas invertem-no com a ponta para baixa, tal como invertem o crucifixo. As Bruxas jamais usam crucifixos para qualquer fim, seja na posição correta ou invertido. Nunca usamos o 666. Não sacrificamos animais para qualquer fim. Não dizemos o Pai Nosso de trás para diante, não celebramos Missas Negras ou de qualquer outra cor. Também não usamos crianças em nossos rituais e não projetamos danos físicos a quem quer que seja. Além disso, não recrutamos ou fazemos proselitismo.
A Feitiçaria é uma Arte que todos praticamos, quando estamos em total harmonia com a Natureza, quando não permitimos que maltratem um animal ou quando impedimos de sacrifiquem uma árvore, pois nossa religião é ecologicamente correta e hoje a nossa maior preocupação é a preservação das espécies e de nosso planeta.
Muitos são os que dizem que hoje a bruxaria está em moda, talvez por influência de filmes como os de "Harry Potter", onde o arquétipo do Mago ressurge nesses pequenos aprendizes de magia, que estão encantando pequenos e adultos. Também a Trilogia do Senhor dos Anéis, com elfos, hobbits, magos, orcs e trolls, surgiu nas telas do mundo, para despertar o homem para o real estado das coisas e de nosso papel neste mundo. Talvez nem todos entenderam a verdadeira mensagem, mas que ela foi dada, ah.
Isso foi!
Não só compreendemos, mas vivemos a visão espiritual dos nossos ancestrais, que reconheceram o poder divino na Terra e nos processos naturais. Todas nós possuímos conhecimentos e técnicas para realizar nossos próprios poderes divinos, tão necessários para viver em harmonia com a criação.

(O texto acima não é de minha autoria, que alias, desconheço, mas as palavras cabem perfeitamente no que quero dizer neste dia.)

Seja o que você quiser



Seja você o que quiser

Não seja o que os outros querem

Mas não se esqueça de ser

O melhor que puder

Suas palavras são importantes

Assim as de qualquer um

Não tenha medo de mudar

Ser o que é por dentro

Dentro de você

Há muito mais que as fugas

Que te mostram nas ruas

Seja você o que quiser

E mostre tudo o que puder

Liberte este peso da sua mente

Não se falsifique

Para ser uma imagem

Falsetes e medos seus

Te perseguem ao longo da estrada

Seja você o que é

E seja o que puder

Esqueça as falsas imagens

Da noite e do diaI

magens que por traz

Escondem o medo de ser

De ser o que puder

E mostrar o que não são

E mostrar o que não são



Marcio Gallina Rego

Bruxaria Ibérica





A denominada bruxaria ibérica é um ramo da bruxaria tradicional cujas origens estão vinculadas aos antigos povos da península Ibérica.

Remontando à pré-história, conforme ocorre também com outros ramos da bruxaria tradicional, os praticantes da bruxaria na península Ibérica absorveram, durante a antigüidade, elementos de diversas culturas e povos que agregaram harmonicamente a suas próprias práticas e crenças.

Posteriormente, em função da intolerância religiosa, em particular após a Reconquista, tiveram de se ocultar, o que dificultou sobremaneira a troca de informações entre membros de coventículos distintos, resultando na redução de adeptos a poucas famílias e levando à decadência do cabedal de informações do qual dispunham antes da ascensão do cristianismo.

Como em outros ramos da bruxaria tradicional, os adeptos da Tradição Ibérica preferem manter o anonimato e não comungam com o uso do nome da magia para a exaltação de egos, como temos observado desde o surgimento da Wicca (que não deve ser confundida com bruxaria tradicional).

Wicca é...





Mais do que uma religião...Uma Filosofia de Vida!



É Amar a si próprio como você é!





É Amor á Natureza, que é de onde retiramos o que é necessário para viver...



É um modo de respeito, equilíbrio, aprendizado e muita Beleza!!!



Não se pratica Wicca, vive-se Wicca!



Quando você se torna um(a) Wiccano(a), você passa a fazer parte de tudo e tudo faz parte de você!



Você é a divindade, e a divindade reside em você!E sua luz irradia por onde você passa. E o mundo se torna mais iluminado



simplesmente porque você está nele...

(de Eddie Van Feu )


PEQUENO FEITIÇO CONTRA O MEDO

Desenhe um boneco numa folha, recorte-o e escreva nele qual é o seu medo...Em seguida, as 7h da Noite, acenda uma pequena vela cor-de-rosa e queime o boneco dentro de um cálice transparente deixando a fumaça seguir em direção à lua.Diga então para a lua e para você mesmo(a): “Eu sei que esse medo é de papel.Preciso me livrar dele agora, mas peço à lua que o receba, em fumaça e guarde-o para quando eu precisar dele, não para me assustar, mas para me alertar!
As bruxas em seu meio, fazendo o que mais gostam, uma magia, uma invocação, uma cura, o contato mágico, a vivência junto a natureza, nos desperta uma consciência muito diferente do ser...nos é possível o transmutar, nos é mais fácil poder nos transformar em Pérolas. Bençãos Plenas!!

Pêndulo



A corrente ou cordão que se prende ao pendulo deve ter em torno de 20 cm.

Uma parte desse fio ou corrente fica no centro da palma da mão enquanto você segura o restante com o dedo indicado e polegar.

Procure um “tamanho” de cordão que lhe seja mais propicio. Para isso, segure o pêndulo com cinco cm de fio solto e faça a pergunta: este é o tamanho adequado para a nossa integração nos trabalhos pendulares? Caso, a resposta for não, continue aumentando e ou diminuído o tamanha do fio liberado. Até que o pêndulo diga sim.

Faça perguntas diretas tipo. Amanhã vai chover? Nunca, amanhã vai chove pela manhã e fazer Sol à tarde? Temos aí duas perguntas juntas e o pêndulo não poderá respondê-las.

Tente esvaziar a mente das preocupações normais.

Não se envolva emocionalmente com as questões.
Não use o pêndulo para prever o futuro. O futuro é mutável existem, sim, probabilidades. Contudo, para previsões existem tipos diversos de oráculos. Como Runas e Tarot.

Não trabalhe junto a pessoas descrentes, gozadoras, incrédulas ou com uma grande ânsia de “ver” o trabalho. Esse tipo de pessoa sempre atrapalha energeticamente o bom andamento
de sua prática.


JURAMENTO DA BRUXA

mensagens em flash

RecadosOnline - Encontre muito mais Bruxas em nosso site. Confira!


Que eu seja como a que tece o pano na floresta,profundamente escondida. Que eu possa fazer o meu trabalho sem interrupção. Que eu seja uma exilada, se este é o sacrifício. Que eu conheça a procissão sazonada do meu espírito e do meu corpo, e possa celebrar os quartos em cruz,solstícios e equinócios. Que cada Lua Cheia me encontre a olhar para cima,nas árvores desenhadas no céu luminoso. Que eu possa acariciar flores selvagens, cobri-las com as mãos. Que eu possa libertá-las, sem apanhar nenhuma,para viver em abundancia. Que meus amigos sejam da espécie que ama o silêncio. Que sejamos inocentes e despretensiosos. Que eu seja capaz de gratidão. Que eu saibater recebido a alegria, como o leite materno. Que eu saiba isso como o meu gato, no sangue e nos ossos. Que eu fale a verdade sobre a alegria e a dor,em canções que soem como o aroma do alecrim,como todo o dia e na antiguidade, erva forte da cozinha. Que eu não me incline a auto-integridade e a auto-piedade. Que eu possa me aproximar dos altos trabalhos da terra e dos círculos de pedra,como raposa ou mariposa,e não perturbar o lugar mais que isso. Que meu olhar seja direto e minha mão firme. Que minha porta se abra àqueles que habita em fora da riqueza, da fama e do privilégio. Que os que jamais andaram descalços não encontrem ocaminho que chega a minha porta. Que se percam na jornada labiríntica. Que eles voltem. Que eu me sente ao lado do fogo no invernoe veja as chamas brilhando para o que vier,e nunca tenha necessidade de advertir ou aconselhar,sem que me peçam. Que eu possa ter um simples banco de madeira, com verdadeiro regozijo. Que o lugar onde habito seja como uma floresta. Que haja caminhos e veredas para as cavernas e poçose árvores e flores, animais e pássaros,todos conhecidos e por mim reverenciados com amor. Que minha existência mude o mundo não mais nem menos do que o soprar do vento,ou o orgulhoso crescer das árvores.Por isso, eu jogo fora a minha roupa. Que eu possa conservar a fé,sempre! Que jamais encontre desculpas para o oportunismo. Que eu saiba que não tenho opção,e assim mesmoescolha como a cantiga é feita,em alegria e e com amor. Que eu faça a mesma escolha todos os dias e de novo. Quando falhar, que eu me conceda o perdão. Que eu dance nua, sem medo de enfrentar meu próprio reflexo.



Velas - parte ll



Uma das mais simples formas de magia é a magia das velas. Dizemos simples porque trata-se de uma prática realmente inicial e básica, que qualquer interessado em Magia pode realizar e, aos poucos, aprendendo a direcionar. É preciso atentar para três princípios básicos da Magia: concentração, força de vontade e visualização.


Há velas dos mais variados tipos e formatos e você deve utilizar aquela que lhe for mais adequada. No entanto, velas comuns, daquelas vendidas em supermercados, costumam funcionar muito bem em todos os casos.

Também é importante untar a(s) vela(s) com óleo antes de utilizá-la(s), pois dessa forma você anula as energias que já entraram em contato com ela(s) antes de chegar até você. Quando seu objetivo for atrair algo, unte a vela do pavio para a base. Quando sua intenção for afastar algo, unte a vela da base para o pavio. Use óleos neutros ou algum que tenha uma correspondência mágica de acordo com o seu objetivo também.

Procure não reaproveitar velas; deixe-as queimando até o final. É claro que feitiços que duram mais de um dia devem prosseguir com a mesma vela (na maioria dos casos), mas salvas tais exceções, não reutilize.

De acordo com o seu objetivo, escolha a cor da sua vela. Cada cor está relacionada a um aspecto de nossa vida e o sistema padrão é o seguinte:

Vermelho
Energia, força, paixão, coragem, fertilidade, sangue, guerras, batalhas, brigas, discussões acaloradas, ações rápidas, sobrevivência, lua de sangue, menstruação, iniciativa, sexo.

Laranja
Vitalidade, alegria, festas, negócios, sucesso no geral, vendas, assuntos legais, justiça.

Amarelo
Estudos, criatividade, inspiração, confidência, inteligência, Sol, memória, pensamento lógico, aumentar concentração, saúde mental.

Rosa
Romantismo, amizades, amor, ensinamento, paz, afeição, energias boas para o planeta, fazer as pazes com alguém.

Verde
Dinheiro, sorte, cura, fertilidade, abundância, saúde.

Azul
Paciência, projeção astral, sonhos proféticos, proteção divina, concentração, calma, esperança, inspiração espiritual, abrir bloqueios energéticos.

Roxo
Espiritualidade, habilidades psíquicas, terceiro olho, influenciar pessoas.

Prata
Feminilidade, Lua, telepatia, clarividência, sonhos, intuição, energia astral.

Dourado
Masculinidade, saúde, força, vitalidade, sucesso, o Deus, felicidade.

Preto
Afastar negatividade, banimento, proteção, introspecção.

Branco
Paz, pureza, meditação, espiritualidade, a Deusa, nosso self profundo, pureza, paz, virgindade. A vela branca serve para qualquer propósito mágico, na falta da cor específica.

Marrom
Bens materiais, paciência, responsabilidade, trabalho, estudos, influenciar amigos, pedir favores especiais.

Velas -parte l



Os quatro elementos da natureza estão presentes na vela: a água da parafina, a terra do pavio, o ar que permite a combustão e o fogo que acende. Veja quantas características temos em um vela. Além das cores, também temos os formatos:

Vela de Pirâmide:
Firmeza, realizações, matérias, canalização.

Vela da Lua:
(Meia Lua) Representa a água. E relacionado aos sonhos e as fases da Lua. Serve para acentuar sua energia intuitiva. E para romances.

Cones Triangulares ou hexagonais:
Quando apresentam ângulos agudos geram uma energia de luta e
combate. Pode-se usar para vencer uma concorrência ou para superar o
alguém em uma disputa comercial ou judicial. As velas triangulares simbolizam o equilíbrio dos três planos: Físico, emocional e espiritual.

Velas Cônicas:
São voltadas para cima e geram a sensação de superação dos limites. O
desejo de elevação do homem ao universo, sua comunicação com o cosmos. Seu crescimento, orientação e purificação espiritual.

Velas Quadradas:
Simbolizam estabilidade material, usada quando buscamos firmar,
cimentar algo prático e objetivo. Agrega solidez e força. Seus lados
iguais representam os quatro elementos:Terra, Água, Fogo, Ar.

Velas Redondas:
Simbolizam mudança, a busca. E a energia mais pura do astral que só a mente
superior alcança. Serve para revigorar uma situação que se encontra
adormecida. Uma carga de energia muito grande.

Velas Estrela de Cinco Pontas:
É o símbolo do homem preso na matéria. Usa os atributos ao pentagrama. Representa o carma.

Velas espiraladas:
Usada para buscar maior objetividade em assunto em que a fantasia está
misturada com a realidade. As que apresentam a forma de caracol são
usadas para claridade mental e sabedoria interior.

Velas com mel:
Sugerem doçura e harmonia. Indicadas para adoçar desejos de sintonia
do casal e para criar bons laços de trabalho.

Velas com símbolos orientais:
A maioria deles são indicados para a prosperidade, sabedoria, saúde,
paz e amor. Enquanto se queimam, vão ativando as energias destes símbolos nos setores de nossa vida.

Velas Flutuantes:
Somente se utilizam para propósitos sentimentais e romanticos. Devem ser acesas durante o dia buscando a energia solar. Para acendê-las à noite,
basta colocar o recipiente com a água em pleno sol por cerca de duas
horas.

Banho de Afrodite

 


Banho Ritual com Afrodite para resgatar a auto-estima

(By Aponi Nahimana)

Material Necessário

Rosas Brancas (próprias para banho e chá)
Flores de Jasmim (próprias para banho e chá)
Flores de Hibisco (próprias para banho e chá)
Pétalas de Rosas Vermelhas
Canela em Pau
Cravo da índia
Conchas do Mar
Aveia
Leite (O de cabra seria perfeito!)
Essência de Rosas Vermelhas
Vela Rosa
Incenso de Rosas Vermelhas
Óleo mineral ou vegetal de boa qualidade

Poção de rosas Vermelhas:

Antes de preparar o banho prepare a poção de Rosas Vermelhas.

Misture ½ xícara de óleo mineral ou vegetal, acrescente algumas gotas de essência de rosas Vermelhas até formar um aroma que lhe seja agradável. Acrescente as pétalas de rosas vermelhas e uma concha do mar. Transfira a mistura para um vidro com rolha e guarde ao abrigo de luz e calor. Se preferir deixe tomar o sereno da Lua cheia numa noite de sexta-feira (dia dedicado a Afrodite) e depois consagre a poção a Deusa.


Banho:

Faça uma infusão (derrame água quente sobre as ervas) com rosas brancas, flores de jasmim, canela em pau, cravo da índia, flores de hibisco, e conchas do mar.

Espere a infusão ficar morninha e acrescente aveia em flocos, leite , algumas gotas de essência de rosas e pétalas de rosas vermelhas. Mexa bem enquanto mentaliza os benefícios que espera alcançar com este banho.

Coloque essa mistura na banheira cheia de água. Se você não possuir uma banheira, coloque esta mistura num recipiente, acrescente um pouco de água (tome seu banho habitual e no fim derrame essa mistura sobre seu corpo).
Chá de Flores:

Prepare um chá com rosas brancas, jasmim e flores de hibisco. Se quiser adoce com um pouco de mel.
 Ritual:

Leve para o banheiro todo material necessário: A poção de rosas vermelhas, a água do banho já preparada, o incenso, à vela untado com óleo de rosas, etc.

Trace o Círculo Mágico, acenda a vela e o incenso. Permaneça apenas sob a luz da vela ou das velas como preferir.

Invoque os quadrantes

Invoque Afrodite a Deusa do amor e da Beleza.

Medite sobre sua vida, observe as atitudes que está tomando consigo mesma... Quanto tempo por dia, por semana, ou por mês está dedicando a fazer as coisas de que gosta, ou quanto tempo você utiliza para se cuidar... Converse com a Deusa exponha seus sentimentos a Ela e ouça seus conselhos enquanto banha-se em suas águas...

Visualize a chama da vela e veja uma luz cor de rosa invadindo todo o banheiro, e envolvendo seu corpo.

Deixe o corpo secar naturalmente, sem o auxílio de toalha e depois espalhe a poção de rosas por todo o corpo. Se puder vista uma peça de roupa cor de rosa.

Tome o chá de flores.

Agradeça a Deusa

Se despeça dos quadrantes

Destrace o Círculo Mágico

sábado, 21 de novembro de 2009

Feitiços

 


www.ScrapsABC.com |

Feitiços do Ano
Janeiro – Deus Janus é um mês de poder do começo ao fim, dizem que os 12 primeiros dias de Janeiro são poderosos para rituais de novos começos. Sirva as visitas e parentes brownies (bolos de chocolate com nozes). Os brownies são os espíritos guardiões do mês de janeiro.
Fevereiro – Deusa romana Februa. É o mês das fadas caseiras, é apropriado enfeitar os vasos de plantas com laços vermelhos. No último dia do mês coloque uma cabeça de alho nas janelas para proteger a casa durante o restante do ano.
Março – Deus Marte, Deus da guerra. Recolher água da chuva em potes para encantamentos. Os guardiões são os Silfos, quando chove muito, os Silfos estão festejando, não é bom reclamar!
Abril – Afrodite. Acredita-se q os amores nascidos no mês de abril são duradouros. Os guardiões são os elfos, duendes q adoram dançar ao som de flautas, ouvir essas músicas atraem os elfos q invadem nosso sono com sonhos proféticos.
Maio – Deusa Maya, comum vestir-se de verde para homenagear Gaia, mãe terra.
Junho – Deusa Juno. Mit. Romana. Nessa época acreditava-se que a borboleta se tornava sagrada, quem consegue avistá-la, atrairá boa sorte.
Julho – Imp. Júlio César. Guardiões são os Duendes dos bosques, ao oferecer uma maça a eles em agradecimento aos 7 meses passados, terão sorte na 2ª metade do ano.
Agosto – Imperador Augusto. O girassol é a flor consagrada, dar ou receber trará prosperidade.
Setembro – Quem olhar para lua crescente desse mês, poderá pedir algo perdido.
Outubro – O mais mágico dos meses, Acreditava-se que a mãe Natureza transformava criaturas encantadas em formigas, para expiarem os humanos. Pratinhos com açúcar pela casa o recepcionarão com alegria.
Novembro – É um mês para refletir sobre os ciclos. Acreditavam-se que as criaturas mágicas que saíram no Halloween ainda estavam entre nós, é um mês limiar entre os 2 mundos. (para bruxas do HS o ano começa em maio, pois comemoramos em 30 de Abril). Por isso no ultimo dia do mês, faça um altar com as representações dos 4 elementos, agradeça e diga que eles serão bem vindos no ano seguinte.
Dezembro - Na noite de 14 de dezembro, faça uma lista com todos os seus desejos realizados durante o ano. Plante uma semente para cada desejo realizado e agradeça a Deusa, pedindo renovação de sua fé, para que no próximo Ano, você possa plantar mais sementes. Para atrair espíritos guardiões, enfeite sua casa com arranjo de várias contas e vela verde no centro, quando o final do ano se aproximar, peça aos guardiões que protejam seu lar durante o ano que entrar.

Tradição na Wicca

 




DEFINIÇÃO:
Tradição, literalmente transmissão (latim: traditio, tradere = entregar).


Em grego, na acepção religiosa do termo, a expressão é paradosis (παραδοσις).

Tradição mais precisamente é uma transmissão oral de lendas ou narrativas ou de valores espirituais de geração em geração. Uma crença de um povo, algo que é seguido conservadoramente e com respeito através das gerações. Uma recordação, memória ou costume.

Conhecimento ou prática proveniente da transmissão oral ou de hábitos inveterados.

A tradição e sua presença na sociedade baseiam-se em dois pressupostos antropológicos:


a) as pessoas são mortais;


b) a necessidade de haver um nexo de conhecimento entre as gerações.

Tem-se por tradição no sentido amplo tudo aquilo que uma geração herda das suas precedentes e lega às seguintes.

Os aspectos específicos da tradição devem ser vistos em seus contextos próprios: tradição cultural, tradição religiosa, tradição familiar e outras formas de perenizar conceitos, experiências e práticas entre as gerações.

No campo religioso é onde mais se aplica este conceito. A tradição toma feições mais peculiares em cada crença. Pode-se destacar a presença da tradição nos grandes grupos religiosos: Judaísmo, Cristianismo, Islamismo, Hinduísmo.


Resumindo,Tradição "é um método específico de ação, atitude ou ensinamentos que são passados de geração para geração”.

Falar sobre Tradição não é um assunto simples dentro da Bruxaria.
Por exemplo, na Wicca consiste em um conjunto de rituais, ética, instrumentos e crenças que são passados para os iniciados de um determinado coven.

Ela mesma é subdividida em diversas Tradições, cada uma com sua própria estrutura, rituais e mitos próprios passados de praticante para praticante.
Mas todas elas seguem um mesmo princípio:

A celebração da Deusa e do Deus através de rituais sazonais ligados à Lua e ao Sol, os Sabaths e Esbaths.
O respeito à Terra, que é encarada como uma manifestação da própria Deusa.
A magia é vista como uma parte natural da Religião e é utilizada com propósitos construtivos, nunca destrutivos.
O proselitismo é tido como inadmissível.

Modificada de uma Tradição para outra, a filosofia, os ritos, as concepções são diversas e diferentes e isso acontece, às vezes, dentro de uma mesma linha. Com uma certa freqüência, algumas Tradições não reconhecem um iniciado em outra, o que faz com que muitos praticantes da Bruxaria se iniciem em mais de uma Tradição distinta.

Existem alguns pontos divergentes entre as diversas Tradições, como por exemplo, o Livro das Sombras.
Cada uma possui seu próprio onde são descritos seus Ritos sagrados e as idéias sobre a Divindade.

Em alguns casos é comum os integrantes de uma Tradição afirmar que o seu Livro é o único descendente do primeiro Livro das Sombras redigido.
Outro ponto de divergência entre as Tradições relaciona-se à hierarquia.

Algumas são extremamente hierárquicas, enquanto em outras a hierarquia é inadmissível e tida como tabu.

Algumas Tradições aceitam e incentivam seus membros a praticarem Bruxaria sozinhos, enquanto em outras é terminantemente proibido a prática mágica de qualquer tipo fora do Coven e sem a supervisão do Alto Sacerdote ou da Alta Sacerdotisa.

Devido à grande quantidade de tradições existentes, e da pouca ou nenhuma informação disponível sobre elas, torna-se difícil escolher uma definida.



ALGUMAS TRADIÇÕES
Por necessidade, estas definições são gerais, pois cada Bruxo mesmo que faça parte de uma Tradição específica poderia definir seu caminho como sendo diferente.

Tradição 1734: A tradição 1734 de Wiccan foi desenvolvida por Robert Cochrane, um poeta britânico e o filósofo. Procurou restaurar “a velha religião”.
A tradição 1734 é desenvolvida fora de uma série da correspondência entre Robert Cochrane e Joseph Wilson, um americano.
A tradição 1734 não há nenhuma estrutura hierárquica oficial. Focaliza no meditação.
A tradição 1734 usa um arranjo diferente da colocação dos elementos e de seus rituais do que a maioria de tradição de Wiccan.
Tipicamente britânica é às vezes uma Tradição eclética baseado nas idéias do poeta Robert Cochrane, um auto-intitulado Bruxo hereditário que se suicidou através da ingestão de uma grande quantidade de beladona. 1734 é usado como um criptograma (caracteres secretos) para o nome da Deusa honrada nesta tradição.

Tradição Alexandrina: Uma Tradição popular que começou ao redor da Inglaterra em 1960 e foi fundada por Alex Sanders. A Tradição Alexandrina é muito semelhante a Gardneriana com algumas mudanças menores e emendas. Esta Tradição trabalha à maneira de Alex e Maxine Sanders, que diziam terem sido iniciados por sua avó em 1933. A maioria dos rituais são muito formais e embasados na Magia cerimonial. É também uma tradição polarizada, onde a Sacerdotisa representa o princípio feminino e o Sacerdote o princípio masculino. Os rituais sazonais, na maior parte são baseados na divisão do ano entre o Rei do Azevinho e o Rei do Carvalho e diversos dramas rituais tratam do tema do Deus da Morte/Ressurreição. Como na Tradição Gardneriana a Sacerdotisa é elevada à autoridade máxima. Entretanto, os precursores para ambas Tradições foram homens. Embora similar a Gardneriana, a Tradição Alexandrina tende a ser mais eclética e liberal. Algumas das regras estritas Gardnerianas, tais como a exigência do nudismo ritual, são opcionais.
Alex Sanders intitulou-se a certa altura “Rei das Bruxas”, considerando que o grande número de pessoas que tinha iniciado na sua tradição lhe dava esse direito. Nem os seus próprios discípulos o levaram muito a sério, e para a comunidade Pagã no geral esse título foi apenas motivo de troça, quando não de repúdio. Janet e Stewart Farrar são os mais famosos Bruxos que divulgaram largamente a Tradição Alexandrina em suas publicações.

Tradicional Britânica:
Uma Tradição com uma forte estrutura hierárquica e graus. Os Rituais estão centrados na Tradição Céltica e Gardneriana.
Wicca Céltica: Uma Tradição muito telúrica, com enfoques na natureza, os elementos e elementais, algumas vezes fadas, plantas, etc. Muitas “Bruxas Verdes” (Green Witches) e Adeptos do Druidismo seguem este caminho, centrado no panteão Céltico antigo e em seus Deuses e Deusas.

Tradição Caledoniana ou Caledonni: Uma tradição que tenta preservar os antigos festivais dos escoceses e às vezes é chamada de Tradição Hecatina.

Tradição Picta: É uma das manifestações da Bruxaria tipicamente escocesa. Na maioria das vezes é uma forma solitária da Arte. Seu enfoque prático é basicamente mágico e possui poucos elementos religiosos e filosóficos.

Bruxaria Cerimonial: Usa a Magia cerimonial para atingir uma conexão mais forte com as divindade e perceber seus propósitos mais altos e suas habilidades. Seus Rituais são freqüentemente derivações da Magia Cabalística e Magia Egípcia. Embora certamente, mas não de forma intencional, este caminho é infestado freqüentemente por egoístas e pessoas inseguras que usam a Magia Cerimonial para duas finalidades (adquirir tudo aquilo que querem, atingir níveis mais altos para poderem olhar de cima). Estes atributos não são uma regra em todos os Bruxos Cerimoniais, e há muitos Bruxos sinceros neste caminho.

Tradição Diânica: Algumas Bruxas Diânicas só enfocam seus culto na Deusa, são muito politicamente ativos, e feministas. Outras simplesmente enfocam seu culto na Deusa como uma forma de compensar os muitos anos de domínio Patriarcal na Terra. Algumas usam este título para denotar que são “as Filhas de Diana”, a Deusa protetora delas. Há Bruxas Diânicas que são tudo isto, algumas que não são nada disto, e outras que são um misto disto. A Arte Diânica possui duas filiais distintas: Uma filial, fundada no Texas por Morgan McFarland que dá a supremacia à Deusa em sua thealogy, mas honra o Deus Cornífero como seu Consorte Amado e abençoado. Os membros dos Covens dividem-se entre homens e mulheres. Esta filial é chamada às vezes “Old Dianic” (Velha Diânica), e há alguns Covens descendentes desta Tradição, especialmente no Texas. Outros Covens, similares na thealogy, mas que não descendem diretamente da linha de McFarland, e que estão espalhados por todo EUA.
A outra filial, chamada às vezes de Feitiçaria Feminista Diânica, focaliza exclusivamente a Deusa e somente mulheres participam de seus Covens e grupos. Geralmente seus rituais são livres e não são hierárquicos, usando a criatividade e o consenso para a realização de seus rituais. São politicamente um grupo feministas. Há uma presença lésbica forte no movimento, embora a maioria de Covens estejam abertos a mulheres de todas as orientações.

Tradição Georgina: Esta Tradição foi criada por George Patterson, que se auto intitulou como sendo um “Sumo Sacerdote Georgino”. Quando começou o seu próprio Coven, chamou-o de Georgino, já que seu prenome era George. Se há uma palavra que melhor pode descrever a Tradição de George, seria “Eclética”. A Tradição Georgina é um composto de rituais Celtas, Alexandrinos, Gardnerianos e tradicionais. Mesmo que a maior parte do material fornecido aos estudantes sejam Alexandrinos, nunca houve um imperativo para seguir cegamente seu conteúdo. Os boletins de noticias publicados pelo fundador da Tradição estavam sempre cheio de contribuições dos povos de muitas outras Tradições. Parece que a intenção do Sr. Patterson era fornecer uma visão abrangente aos seus discípulos.

Ecletismo:
Um Bruxo eclético é aquele que funde idéias de muitas Tradições ou fontes. Assim Como no caldeirão de uma Bruxa, são somados elementos para completar a poção que é preparada, assim também são somadas várias informações de várias Tradições para criar um modo mágico de trabalhar. Esta "Tradição" que realmente não é uma Tradição é flexível. Geralmente, são criados rituais e Covens de estrutura livre.

Tradição das Fadas ou Fairy Wicca: Há várias facções da Tradição das Fadas. Segundo os membros desta Tradição, seus ritos e conhecimentos tiveram origem entre os antigos povos da Europa da Idade do Bronze, que ao migrarem para as colinas e altas montanhas devido às guerras e invasões ficaram conhecidos como Sides, Pictos, Duendes ou Fadas. Uma Bruxa desta Tradição poderia ser ou trabalhar com energias da natureza e espíritos da natureza, também conhecidos como fadas, Duendes, etc. Alguns dos nomes mais famosos desta Tradição são Victor e Cora Anderson, Tom Delong (Gwydion Penderwyn), Starhawk, etc. .
Os seus Precursores são Victor Anderson - nasceu em 1917 e dizia-se descendente de Havaianos e Africanos. Ele foi iniciado no Coven Harpy, em Bend, Oregon, ainda em sua adolescência. O Coven Harpy era um Coven da Fairy Tradition (Tradição das Fadas), que se distinguia muito dos Círculos Gardnerianos e Neo-Pagãos vigentes até então. O Coven Harpy se dissolveu na época da segunda guerra mundial. Victor Anderson casou-se com Cora em 1944 e juntos começaram a introduzir outros conhecimentos e práticas, inclusive materiais das Tradições Gardneriana a Alexandrina, à Tradição das Fadas e resultou no que mais tarde passou a ser chamada de Fairy Wicca ou Feri Faith. Em 1960, Victor e Cora conheceram Gwydion Pendderwen que se tornou um dos mais renomados iniciados do casal Anderson. Gwydion espalhou os conhecimentos da Fairy Wicca na comunidade Neo-Pagã dos anos 70 até meados de 80. Infelizmente Gwydion morreu em um acidente de automóvel em 1981, mas deixou belos cânticos e invocações utilizadas até hoje na liturgia da Tradição. Abaixo dois textos tradicionais da Fairy Wicca, um escrito por Gwydion e outro por Victor Anderson:

O Nome
Por Gwydion Pendderwen
“Ela é a uivadora dos muitos ventos”.
Seu nome é as cinco estações do ano.
Amante do primeiro Senhor
Mãe de dúzias de Deuses que andam pelos caminhos estrelados
Irmã e Esposa do Portador da Luz
Mulher Ela é, de nobre poder da paixão
Branca e azul ao mesmo tempo e ainda o Arco-íris,
Negra como o nulo sonho escuro “ ”.

Bênçãos
Por Victor Anderson - do livro "Espinhos da Rosa de Sangue" editado em 1970
“Tu de todos os sagrados, ultrajados e sábios nomes”.
Mãe de rameiras e iniqüidades,
Que suporta o fiel na destruição e chamas,
Confessando ações vis e blasfêmias.
Pela Terra, Seu corpo fértil, Abençoada Seja.
E pelas Águas Viventes do Seu útero,
Pelo Ar, Seu sopro que se move no mar,
Pelo chamado de vida da grama verde da tumba,
Pelo Fogo, Seu Espírito,
Abençoada Seja com poder!
As Crianças de Seu Amor nascem entre a destruição
Possa haver Luz e clareza nas horas negras
Brilhe Lua Branca, Cresça nos caminhos
De cada um , eterno caminho apaixonado.
Abençoe e ilumine a todos,
Evo-he ““.



História da Tradição

A Fairy Wicca ou Tradição das Fadas tem em comum com as outras vertentes da Arte uma tradição linear de mistérios e poder. Seus membros acreditam na comunicação direta com a Divindade. Isto é um contraste com algumas outras Tradições que praticam o psicodrama ritual em larga escala. Entre as características que mais distingue a Fairy Wicca está o uso do Poder das fadas, que caracteriza a linhagem desta vertente Wiccana, pois segundo os membros desta Tradição, seus ritos e conhecimentos tiveram origem entre os antigos povos da Europa da Idade do Bronze, que ao migrarem para as colinas e altas montanhas, devido às guerras e invasões, ficaram conhecidos como Sides, Pictos, Duendes ou Fadas.
Nesta Tradição é dada uma forte ênfase à expansão da consciência. É uma Tradição voltada à exploração espiritual. Os Fairy Wiccans respeitam profundamente a sabedoria da natureza e tudo o que a envolve. Os Deuses não são vistos como forças psicológicas, arquetípicas ou manifestação do inconsciente coletivo, mas são reais, com um sistema de moralidade diferente do nosso próprio e nós teríamos responsabilidade com cada um deles. Há um corpo específico de cantos e material litúrgico da Tradição. Muito disto se originou com Victor Anderson e Gwydion Pendderwen que forneceram um arsenal para muitos Círculos em funcionamento, cuja criatividade poética é altamente estimada. As práticas mágicas da Fairy Wicca (ou Feri, como Victor chama) são altamente invocatórias, encorajam a manifestação direta dos Deuses através de práticas como "Puxar a Lua Para Baixo", que confere talentos psíquicos ou sensibilidade especial para algumas práticas específicas.
Os Ritos da Fairy Wicca possuem diversos estilos e podem ser tirados de muitas fontes. Há uma linhagem iniciatória traçada desde Victor e Cora Anderson e Gwydion Pendderwen. As energias trabalhadas nesta Tradição incluem:
o a visualização do fogo azul;
o um corpo de material poético e litúrgico;
o Deuses e arquétipos específico da Tradição;
o a doutrina dos Três Selfs;
o o uso de um cíngulo de cor específica;
o um sentido de "tribo" ou "clã” para o Coven;
o a veneração ao Deus Cornífero como o Filho Amado e Consorte da Deusa.

Hoje existem várias facções da Tradição das Fadas, mas podemos apontar como característica inerente à maioria dos praticantes dela o uso dos espíritos da natureza, conhecidos como Fadas, Duendes, Gnomos, etc. em seus rituais. Embora o Victor Anderson seja reconhecido mundialmente como o professor-fundador desta Tradição, é possível identificar influências que formaram a Fairy Wicca antes de sua forma presente evoluir para ser o que é hoje.
Há influência de uma dispora africana muito forte, principalmente Dahomeana, e a Teoria do 3 Selfs (Selves-em inglês correto) foi trazida da Magia Kahuna. O material de Victor não é a única fonte dentro da Tradição e existem inúmeros outros.
A Fairy Wicca é uma Tradição extremamente aberta à evolução e cada iniciado traz uma direção nova às suas práticas e rituais. Alguns praticantes, como Gwydion e Eldri Littlewolf, enredaram em caminhos Xamânicos, além de trabalharem extensivamente com a Religião Céltica. Outras influências (como a Meditação Tibetana e Magia Cerimonial) começaram a fazer parte da Tradição com Gabriel Caradoc. Victor, Gwydion, Caradoc, Brian Dragon e Paladin escreveram lindas poesias e liturgias para rituais que são utilizadas até hoje pelos praticantes da Fairy Wicca em todo o mundo. As aulas de Gabriel forneceram treinamentos excelentes na liturgia da Tradição e seus estudantes continuam a transmitir seus ensinamentos. Francesca De Grandis, que compôs Sharon Knight, adicionou sua inspiração para o corpo de material litúrgico da Tradição e Starhawk usou os conceitos desenvolvidos na Fairy Wicca, expressando suas convicções e práticas, mas fornecendo explicações mais claras sobre o conceito dos 3 selfs e uso do Pentáculo de Ferro.

O Conceito do Self e os Pentáculos

Na Fairy Wicca, o conhecimento humano é dividido em 3 Selfs, Eus ou almas, como também são chamados. Eles são:
o Self Jovem;
o Self Discursivo;
o Self Profundo.

Os 3 Selfs podem nos ajudar a compreender como somos, como funcionamos e integrar as várias partes do nosso ser. O Self é o Eu, a individualidade e a identidade de cada ser humano. Cada pessoa utiliza mais um tipo de Self que o outro e, segundo a Fairy Wicca, é isso que a caracteriza cada um de nós. Além disso, podem ser muito úteis na hora de manipular a energia nos trabalhos mágicos. Abaixo uma pequena correspondência dos 3 Selfs:

Self Jovem: representa a mente inconsciente, ao hemisfério direito do cérebro. Nos comunicamos com ele através de símbolos, imagens e sensações. É ele que nos impulsiona a seguir em direção de nossos sonhos mais recontidos e a arriscar. Está associado à energia elemental do corpo (Raith), já que é através dele que recebemos energia e vitalidade. O Self Jovem percebe o fluxo das energias e se comunica sem a necessidade de palavras. Ele trabalha com o mundo das puras sensações que podem ser visuais ou auditivas. O Self Jovem contém toda a memória das experiências passadas, que emergem através dos instintos. No corpo humano, sua força está concentrada no Chakra Básico. Sua energia é gerada através da água e ar puros, exercícios físicos, sexo e através do transe.

Self Discursivo: representa a mente consciente, o hemisfério esquerdo do cérebro. É ele que organiza o que é concebido pelo Self Jovem. Ele funciona através da análise. É com ele que julgamos, inquerimos, culpamos e nos deixamos culpar. É ele que forma a realidade escondida por trás das aparências, racionaliza e define as experiências sensoriais. Aqui se encontra presente os nossos instintos sociais e necessidades. No corpo humano sua força está concentrada no Chakra Cardíaco. Sua energia é gerada através da combinação da energia de todos os seres.
Self Profundo: é o Divino que existe dentro de cada um de nós e não há referências psicológicas para explicá-lo. O Self profundo representa o espírito, a essência, que existe além do matéria, espaço e tempo. Ele é a junção das polaridades. Ele é o espírito que nos impulsiona e guia. Está associado diretamente ao Self Jovem e indiretamente ao Discursivo. É através dele que estabelecemos conexão com o Divino e a possibilidade de conhecer o passado, presente e futuro. A sua força está concentrada em nossa aura e no nosso Chakra Coronário. Sua energia é gerada pelo Universo e ritos sagrados.

*O Pentáculo de Ferro:

O Pentáculo de Ferro é um dos principais símbolos, utilizados na Tradição das Fadas, para possibilitar que cada pessoa trabalhe suas habilidade mágicas. Através dele aprendemos a dar forma às energias, transformar-se e explorar os 5 pontos do nosso Pentáculo interno:
o Sexo: que é a energia Primal;
o Self: o nosso Eu;
o Paixão: as emoções;
o Orgulho: A auto-estima;
o Poder: O poder interior.
Cada um desses pontos está associado a uma ponta do Pentagrama e o intuito de trabalhar com o Pentáculo de Ferro é fazer com que as 5 pontas estejam em perfeito equilíbrio e harmonia. O Pentáculo de Ferro é apenas uma das 3 formas principais de desenvolver e fortalecer o poder em cada pessoa segundo esta Tradição. Além dele existem mais outras duas que são consideradas essenciais:

*O Pentáculo de Pérola:

Que possui as pontas do amor, sabedoria, conhecimento, lei e poder.

*O Pentáculo de Chumbo:
Que possui as pontas do nascimento, Iniciação, consumação, repouso e morte

Tradição Gardneriana: Fundada por Gerald Gardner nos anos de 1950 na Inglaterra. Esta tradição contribuiu muito para Arte ser o que é hoje. A estrutura de muitos rituais e trabalhos mágicos em numerosas tradições são originárias do trabalho de Gardner. Algumas das reivindicações históricas feitos pelo próprio Gardner e por algumas Bruxas Gardnerianas têm que ainda serem verificadas (e em alguns casos são fortemente contestadas), porém, esta Tradição apoiou muitas Bruxas modernas. Gerald B. Gardner é considerado "o avô" de toda a Neo-Wicca. Foi iniciado em um Coven de Newforest, na Inglaterra em 1939. Em 1951 a última das leis inglesas contra a Bruxaria foi banida (primeiramente devido à pressão de Espiritualistas) e Gardner publicou o famoso livro ”Witchcraft Today”, trazendo uma versão dos rituais e as tradições do Coven pelo qual foi iniciado.
Gardnerianismo é uma tradição extremamente hierárquica. A Sacerdotisa e o Sacerdote governam o Coven, e os princípios do amor e da confiança presidem. Os praticantes desta Tradição trabalham "Vestidos de Céu" (nus), além de manterem o esquema de Seita Secreta. Nos EUA e Inglaterra os Gardnerianos são chamados de "Snobs of the Craft" (Snobes da Arte), pois muitos deles acreditam que são os únicos descendentes diretos do Paganismo purista.Cada Coven Gardneriano é autônomo e é dirigido por uma Sacerdotisa, com a ajuda do Sacerdote, Senhores dos Quadrantes, Mensageiro, etc. Isto mantém o linhagem e cria um número de líderes e de professores experientes para o treinamento dos Iniciandos. A Bíblia Completa das Bruxas (The Witches Bible Complete) escrita por Janet e Stuart Farrar, como também muitos livros escritos por Doreen Valiente têm base nesta Tradição e na Tradição Alexandrina em muitos aspectos.

Tradição Hecatina: Uma Tradição de Bruxos que buscam inspiração em Hécate e tentam reconstruir e modernizar os rituais antigos da adoração a esta Deusa. É algumas vezes chamadas de Tradição Caledoniana ou Caledonii.

Bruxo Hereditário ou Tradição Familiar: Um Bruxo que normalmente foi treinado por um ente familiar e/ou pode localizar sua história familiar em outro Bruxo ou Bruxos. Os Bruxos Hereditários são pessoas que têm, ou supõem ter, uma ascendência Pagã (mãe, tia e avó são os alvos mais visados). A maioria dos Hereditários não aceitam a infiltração de outras pessoas fora de sua dinastia, porém algumas Tradições Familiares “adotam” alguns membros, escolhidos “a dedo” em seu segmento.

Bruxa de Cozinha: Uma Bruxa prática que é freqüentemente eclética enfoca e centra sua magia e espiritualidade ao redor do “forno e do lar”.

Seax-Wicca ou Wicca Saxônica: Fundada em 1973, pelo autor prolífico, Raymond Buckland que era, naquele momento, um Bruxo Gardneriano. Uma das primeiras tradições precursoras em Bruxos solitários e o auto-iniciados. Estes dois aspectos fizeram dela um caminho popular.

Bruxo Solitário: Uma pessoa que pratica a Arte só (mas pode se juntar às festividades de Sabbat em um Coven ou com outros Bruxos Solitários ocasionalmente). Um Bruxo Solitário pode seguir quaisquer das Tradições, ou nenhuma delas. A maioria de Bruxos ecléticos são Solitários.

Tradição Strega: Começou ao redor na Itália em 1353. A história controversa sobre esta Tradição pode ser achada em muitos locais e em muitos livros. Aradia ...Gospell of the Witches (Aradia...A Doutrina das Bruxas) é um deles.

Tradição Teutônica ou Nórdica: Teutônicos são um grupo de pessoas que falam o norueguês, fosso, islandês, sueco, o inglês e outros dialetos europeus que são considerados “idiomas Germânicos”. Um Bruxo teutônico acha freqüentemente inspiração nos mitos tradicionais e lendas, Deuses e Deusas das áreas onde estes dialetos se originaram.

Tradição Asatrú: Teve suas origens no Norte da Europa e é uma das facções das Tradições Teutônica e Nórdica. Esta Tradição é praticada hoje por aqueles que sentem uma ligação com os nórdicos e teutônicos e que desejam estudar a filosofia e religiosidade da antiga Escandinávia, através dos Eddas e Runas. Encoraja um senso de responsabilidade e crescimento espiritual, freqüentemente embasados nos conceitos atribuídos aos nobres guerreiros de tempos ancestrais.

Tradição Algard:
Uma americana iniciada nas Tradições Gardneriana e Alexandrina, chamada Mary Nesnick, fundou essa "nova" tradição que reúne ensinamentos de ambas tradições sob uma única insígnia.

Bruxaria Tradicional: Todo Bruxo tradicional dará uma definição diferente para este termo. Um Bruxo tradicional é aquele que freqüentemente prefere o título de Bruxo a Wiccano e define os dois como caminhos muito diferentes. Um Bruxo tradicional fundamenta seu trabalho mágico em métodos históricos da tradição, religiosidade e geografia de seu país.

Tradição Galesa de Gwyddonaid: Uma Tradição Galesa Céltica da Wicca, que adora o panteão galês de Deuses e Deusas. Gwyddonaid foi quem grosseiramente traduziu a ignóbil obra galesa "Árvore da Bruxa (Tree Witch)" e propagou esta forma de trabalhar magicamente.

As Tradições
Veja resumo por datas abaixo, respectivamente pela ordem: Ano de Fundação / Nome da Tradição e/ou Fundador.

1951 Gerald Gardner e seu Coven
1953 Tradição Traditionalist (Cochrane) Witchcraft
1954 Tradição Rhean.
1955 Tradição Boread.
1957 Tradição 'Brighton Coven Craft’
1963 Tradição Alexandrian Witchcraft
1964 Tradição 1734
1965 Tradição 'Sara Cunningham's Family’
1966 Tradição The Regency
1968 Tradição Ordem da Silver Crescent
1968 Ordem Majestic / Tradição Majestic.
1968 Tradição Church and School of Wicca.
1967 Tradição Alexandrian Witchcraft (Ramo Alemão)
1969 Tradição American / Mohsian
1970 Tradição Alexandrian Witchcraft (U.S.A.)
1970 Tradição Dianic (MacFarland) Witchcraft de Wicca Feminista
1970 Tradição Pagan Way Witchcraft
1970 Tradição American Celtic (Sheban)
1970 Tradição Sisterhood and Brotherhood of Wicca
1970 Tradição Du Bandia Grasail Line
1970 Tradição Church of the Eternal Source
1970 Tradição Sicilian Witchcraft (na América)
1972 Tradição Keepers of the Ancient Mysteries
1972 Tradição Seax-Wicca
1973 Tradição Kingstone
1973 Tradição Americana da Assembly of Wiccan
1973 Tradição Open Goddess Tradition
1973 Tradição Druidic Craft of the Wise
1974 Tradição Dianic Feminist Witchcraft
1974 Tradição Isian
1974 Tradição Western Isian
1974 Tradição Algard Witchcraft
1974 Tradição American Traditional Witchcraft
1975 Tradição Blue Star Witchcraft
1975 Tradição Minoan Brotherhood
1975 Tradição Maidenhill Tradition
1975 Tradição Ganymede/Chthonioi branch
1975 Tradição Gardnerian-Eclectic Witchcraft
1975 Tradição Halifax
1975 Tradição Ravenwood
1976 Tradição Cerridwen
1976 Tradição Glainn Sidhr Witchcraft
1976 Tradição 'The Tradition'
1976 Tradição The Roebuck / Ancient Celtic Church
1977 Tradição Temple of Danann
1978 Tradição Hyperborean
1978 Tradição Celtic Wicca (Nossa Senhora do Encantamento)
1979 Tradição Odyssian Tradition (Wiccan Church of Canada)
1980 Tradição Unicorn
1980 Tradição Minnesota Church of Wicca
1980 Tradição Celtic Traditionalist (Fox woods) Witchcraft
1982 Tradição Minoan Sisterhood
1982 Tradição Alexandrian Witchcraft (Irlanda)
1983 Tradição Aquarian Tabernacle
1984 Tradição Communitarian Witchcraft / Wicca Communitas
1983 Tradição Windblown
1985 Tradição New Albion
1985 Tradição Pagans for Peac
1985 Tradição Pagan Way Witchcraft
1985 Tradição Caledonii Tradition
1986 Tradição do NFG branch
1986 Tradição Rainbow Wheel
1986 Tradição North wind
1986 Tradição Sacred Grove
1987 Star Kindler
1987 Tradição Star Kindler
1990 Tradição Eleusinian Tradition
1990 Tradição Blackring Witchcraft
1990 Tradição Serpentstone
1990 Tradição Star Sapphiran
1990 Tradição Crystal Moon
1990 Tradição Chthonian Tradition
1990 Tradição Ceili Sidhe
1991 Tradição Protean
1991 Tradição Neo-Alexandrian Witchcraft (Canadá)
1991 Tradição Black Forest
1991 Tradição Protean
1991 Tradição Califórnia Gardnerian (CalGard) Witchcraft
1992 Tradição Tuatha De Danann Tradition
1993 Tradição Daoine Coire
1994 Tradição Cornfield Tradition
1996 Tradição Aglaian
1996 Tradição Reformada
1996 Tradição Oldenwilde Traditional Witchcraft
1997 Tradição Knight Phases
1997 Prytani Tradition (Clan Ragan)
1997 Tradição Morganan Tradition
1997 Tradição Elemental Spirit
1977 Tradição Brighton Traditional Craft
1997 Tradição Dragon's Weave
1998 Tradição Earthwise
1998 Tradição Evergreen Tradition.





Postado por Hyllanna às 07:23 0 comentários